fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Coronavírus: Justiça prorroga suspensão de saídas de detentos e planeja retorno de visitas

A decisão leva em conta que os profissionais de saúde não recomendam o retorno das visitas presenciais ou a fruição dos benefícios externos neste momento, sob risco de descontrole da proliferação da doença

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Está prorrogado até 10 de setembro as suspensões das saídas temporárias, quinzenais, terapêuticas e especiais e trabalho externo das pessoas em cumprimento de pena privativa de liberdade no Distrito Federal. A decisão, que saiu nesta quinta-feira (20) é da da Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). A VEP estima ainda que o retorno dos benefícios externos podem acontecer a partir do dia 14 de setembro e o retorno das visitas presenciais a partir de 16 de setembro.

A decisão leva em conta que os profissionais de saúde não recomendam o retorno das visitas presenciais ou a fruição dos benefícios externos neste momento, sob risco de descontrole da proliferação da doença. Enquanto isso, o MPDFT avalia, em conjunto com as equipes de saúde, a adoção de protocolos para o retorno das visitas de forma segura. Uma das medidas será a veiculação de vídeos com orientações para familiares acerca dos cuidados necessários contra a propagação da doença.

Os promotores do Núcleo de Controle do Sistema Prisional (Nupri/MPDFT) explicam que a situação dentro dos presídios se mostra controlada e que a curva de contaminação está em declínio. O que preocupa agora são os altos índices de infecção nas cidades do Distrito Federal e entorno, já que boa parte dos visitantes reside em municípios próximos de Goiás e Minas Gerais e realizam seus deslocamentos em transporte coletivo. “O objetivo é cuidar para que os internos não sejam contaminados, não transmitam a doença a seus familiares e também evitar que os hospitais fiquem superlotados”, explicam os promotores.

As restrições impostas para prevenir o Coronavírus serão compensadas no futuro por meio da reposição dos dias do “saidão” e também da remição ficta de pena. Outras formas de compensação foram adotadas, como o banho de sol diário com duração superior a duas horas; acesso a televisão; acesso a leitura; acesso as demais atividades de cunho cultural que possam minimizar os efeitos do isolamento social, desde que não comprometam a rotina carcerária, a segurança e a estabilidade do sistema penitenciário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atuação do MPDFT

Em maio, o MPDFT conseguiu que a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal disponibilizasse dois mil testes rápidos para atender a Unidade de Saúde Prisional da Papuda. Essa medida, aliada a outras iniciativas, permitiu o controle da disseminação do vírus e resultou em um dos mais baixos percentuais de mortes registrado em presídios no Brasil.

O órgão também integra grupo monitoramento do sistema prisional do DF e acompanha de perto a situação dos sentenciados. Ele é composto, ainda, por representantes do TJDFT e da Secretaria de Saúde e da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe). Por meio do grupo, informações diárias das unidades prisionais locais são recebidas e subsidiam a tomada de decisões relacionadas à situação dos detentos, sempre em atenção ao atendimento das necessidades dessas pessoas e ao cumprimento do disposto em lei.

Desde o dia 20 de março, quando foi proferida primeira decisão de suspensão de benefícios externos, a VEP, após analisar caso a caso, progrediu 2.623 pessoas para o regime aberto, inclusive na modalidade antecipada e, ainda, foram concedidas 111 prisões domiciliares humanitárias para homens e mulheres. Além disso, foi realizada análise diária dos pedidos de livramento condicional, comutação e indulto, o que impactou na redução da população carcerária.

As informações são da Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade