fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Conselho de Educação do DF aprova educação mediada por tecnologia

Com isso, a Secretaria de Educação já pode implementar a mudança nas redes pública e particular de ensino

Avatar

Publicado

em

Foto: Dênio Simões/Agência Brasília
PUBLICIDADE

O Conselho de Educação do Distrito Federal aprovou, na terça-feira (24), por unanimidade, um parecer que permite a realização de atividades não presenciais foi aprovado. Com isso, a Secretaria de Educação já tem sinal verde para implementar o ensino mediado por tecnologia na rede pública do DF, desde a educação infantil até o ensino médio. O mesmo vale para as escolas particulares.

O parecer foi aprovado em encontro que reuniu 15 representantes do Conselho de Educação do DF (CEDF). As aulas pela metodologia de educação mediada devem ter início em 6 de abril, caso a suspensão das atividades, que começou em 16 de março, não seja prorrogada. Na primeira fase, a educação mediada será dirigida aos 80 mil estudantes do ensino médio. Posteriormente, será estendida aos anos finais e, por fim, aos anos iniciais do ensino fundamental – ambos em datas a ser divulgadas oportunamente.

“O momento exige soluções corajosas que permitam a retomada do ano letivo, como o desenvolvimento emergencial de um programa de educação mediada por tecnologia, para um número expressivo de estudantes”, explica o secretário de Educação, João Pedro Ferraz. “O papel das mães, pais e responsáveis pelos estudantes será essencial nesse período em que cada um deve fazer sua parte para que a vida possa voltar a fluir da melhor maneira possível. ”

Planejamento

Para o presidente do CEDF, Marco Antônio Almeida Del’Isola, que atuou como relator do parecer, o quadro atual não vislumbra, como prioridade, estabelecer um esquema para reposição das aulas. “É necessário pensar na ocupação do estudante, em um momento de isolamento social, e, neste aspecto, iniciativas como a apresentada merecem aplausos”, afirma.

As escolas particulares que optaram por interromper o recesso e utilizar atividades não presenciais deverão enviar seus planejamentos à SEE para posterior submissão ao CEDF. O conselho também deliberou que devem ser mantidos os 200 dias letivos (equivalentes a 800 horas de atividades escolares), pois se trata de um tema que depende de legislação federal. Também ficou decidido que, caso necessário, o ano letivo nas redes pública e privada poderá avançar para o ano civil de 2021.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Acesso remoto

Na rede pública, serão viabilizadas aulas on-line por meio da plataforma Moodle, que poderá ser acessada pelo computador ou por aplicativo para celular. O estudante entrará, com login e senha, em uma versão virtual de sua escola, onde vai visualizar sua turma e os componentes curriculares. As aulas serão desenvolvidas por meio de diversas atividades e recursos.

A depender da estrutura de conectividade, poderão ser desenvolvidas tarefas de modo on-line ou off-line. Assim, professores e estudantes poderão estar juntos durante os 50 minutos de aula, ou as atividades poderão ser baixadas (downloads) e desenvolvidas no tempo e no espaço que melhor atender às condições de cada escola e estudante, sendo possível disponibilizar outros vídeos da internet, além de materiais produzidos pelos professores.

Formação de professores

A SEE está empenhada no desenvolvimento do curso Escola em Rede Virtual do Distrito Federal, que terá como público-alvo professores regentes, coordenadores pedagógicos locais, coordenadores intermediários e professores conteudistas. Com carga de 60 horas, o curso tem o objetivo de instrumentalizar os professores para o uso pedagógico da plataforma Moodle, além de orientar quanto ao uso de ferramentas e recursos do Google e da Microsoft, bem como de aplicativos e programas para criação de jogos.

A primeira etapa de treinamento contemplará os cerca de 4 mil professores do ensino médio, primeira etapa de ensino a ter disponível conteúdo e aulas virtuais para os estudantes. Todas as áreas internas da SEE estão mobilizadas para produzir e ofertar conteúdo de alta qualidade, alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), incluindo aulas destinadas ao ensino especial.

Caberá à Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (Eape) a formação dos professores da rede pública, essencial para que a proposta inovadora no DF alcance êxito. O planejamento detalhado dessas formações, bem como as demais orientações aos docentes e gestores, será divulgado em breve, dentro da perspectiva de que o recesso escolar vai até 5 de abril.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O objetivo é que cada escola possa usufruir da nova plataforma em sintonia com suas propostas pedagógicas, que levam em consideração a realidade de cada comunidade escolar.

Com informações da Agência Brasília


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade