fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Comerciantes do DF de olho na segunda onda de covid-19

Nesta terça (1º) DF restringiu o funcionamento de bares e restaurantes até 23h. Comerciantes temem por novas regras de restrição

Catarina Lima

Publicado

em

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília
PUBLICIDADE

Após o Governo do Distrito Federal (GDF) definir que bares e restaurante em Brasília só poderão funcionar até às 23h, com mesas em ter distanciamento de dois metros e proibição de música ao vivo nos estabelecimentos, o secretário de saúde, Osnei Okumoto, se reuniu com representantes de segmentos comerciais da capital.

Ele reuniu-se no início da tarde desta terça (1º), por vídeo conferência, com o presidente da Fecomércio, Francisco Maia, e representantes de outros segmentos a fim de discutir estratégias de conscientização para a população e para as empresas. Durante o encontro, enquanto o secretário de Saúde fazia sua exposição, foi divulgado o Decreto 41.535. Os participantes da reunião mostraram grande preocupação com a decisão do governador. Vários apelos foram feitos para que não haja restrições maiores às portas do Natal e até para que Osnei apelasse ao governador para revogar a norma.

O secretário disse aos presentes que o índice de transmissão do coronavirus no DF, que era de 1, chegou a 1.3, o que é um alerta para uma segunda onda de covid-19 na cidade. Ele informou aos empresários que será feito um inquérito epidemiológico em toda a cidade para identificar as principais formas de transmissão da doença. “Se continuar aumentando a transmissão, consequentemente aumentarão as internações e os óbitos”, previu o secretário.

O presidente Federação das Indústrias do DF, Jamal Jorge Bittar, chegou a dizer que os comerciantes do setor de bares e restaurantes que não cumprem as regras de prevenção ao coronavírus são exceção e que por isso todo um segmento não pode se punido. “Se não se fecha o Congresso porque existe um mau deputado, porque fechar todos os bares e restaurantes por causa de alguns empresários que não cumprem as regras”?, comparou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente da Federação do Comércio, Francisco Maia, disse que todos os segmentos comerciais do DF querem participar juntamente com o governo no processo de conscientização da população. Para os empresários, os consumidores também são responsáveis pelo aumento da transmissão do coronavirus na cidade, pois relaxaram no cuidado pessoal.

O superintendente do Sebrae, Valdir Oliveira, temendo que medidas mais duras venham a ser tomadas, disse que se evoluir para um lockdown (confinamento) as consequências serão irreparáveis, inclusive porque muitos empresários solicitaram empréstimos para retomar as atividades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade