Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Adasa coleta e divulga dados mensais sobre a quantidade de chuvas no DF

Publicado

em

Publicidade

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa) segue em busca de uma gestão mais eficiente dos recursos hídricos do DF. Para isto, está coletando e divulgando, no site da instituição, dados mensais sobre a quantidade de chuvas em todo o território do DF. “Com essas informações podemos usar melhor o potencial dos nossos reservatórios. Simulando, inclusive, o quanto eles podem baixar no período de seca”, informa o diretor da instituição, Jorge Werneck.

Os registros são capturados por 15 estações automáticas de monitoramento, que transmitem os dados em tempo real para a agência por meio de satélite. Outros oito equipamentos de instituições parceiras como a Agência Nacional de Águas (ANA), a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também estão sendo utilizados. “O mais importante é que hoje temos uma observação mais distribuída por todo o território do DF”, afirma Werneck.

O diretor da Adasa avalia ainda que, apesar de aparentar ter chovido bastante, a média do volume de chuvas ainda está abaixo dos registros históricos no período. “A vantagem é que nas áreas próximas dos nossos reservatórios as chuvas registradas estão um pouco acima da média”, avalia. Por isto, afirma, a população deve continuar em alerta, utilizando os recursos hídricos com cautela e responsabilidade.

Segundo Jorge Werneck, os mapas com a distribuição pontual das chuvas, mês a mês, servirão, também, para planejamento dos produtores rurais, construção civil, serviços de drenagem nas cidades e da defesa civil. “As pessoas podem consultar no site da Adasa os gráficos com a quantidade de milímetros de chuva mensal, o comparativo com o mês anterior e o comparativo com as médias históricas. Até a próxima estação chuvosa em setembro, teremos mais 30 estações instaladas”, diz.

Renata Moura da Agência Brasília


Você pode gostar
Publicidade