Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Veja exposições virtuais com imagens e documentos inéditos sobre Brasília

Servidores do Arquivo Público prepararam um conjunto de cinco exposições após analisarem mais de 8 milhões de documentos

Foto: Patrick Grosner

O Arquivo Publico do Distrito Federal (ARPDF) preparou um conjunto de cinco exposições virtuais inéditas e inclusivas com imagens e documentos nunca divulgados. O conjunto se chama “Brasília – uma epopeia de 130 anos” e marca o aniversário de 61 anos da capital do país.

Servidores do Arquivo Público fizeram uma curadoria entre os mais de 8 milhões de documentos para organizar as exposições. Nelas, estão centenas de fotos, documentos e filmes, além de fatos e curiosidades sobre o planejamento, construção e inauguração da cidade.

As cinco exposições estão sendo liberadas ao longo da semana. Hoje, é a terceira, chamada “Núcleo de Apoio”. Antes, já ocorreram as “Comissões Cruls” e “Histórias do Lago Paranoá”. Para fechar, na quinta (22) tem a “Praça do Cruzeiro”, e, na sexta (23), “Marco Zero”.

Clique e confira o conjunto de exposições virtuais.

Acessibilidade

O acervo do Arquivo Público conta com 60% de seus itens digitalizados e adaptados para cegos e surdos. Segundo o superintendente do ARPDF, Adalberto Scigliano, o processo de digitalização teve início no ano passado. “Nossa meta é chegar até o fim deste 2021 com todas as mídias em formato acessível para todos portadores de necessidades especiais, sejam elas deficientes auditivos, visuais, ou com alguma limitação”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Scigliano ressalta que o objetivo da exposição é revelar o que não estava acessível à população. “Nosso trabalho vai muito além de só recolher documentos antigos e publicá-los. Queremos nos aproximar ao máximo da população brasiliense e contar suas narrativas, que até um tempo atrás estavam nas sombras”, ressaltou.

“É preciso conhecer o passado, mexer nos arquivos e entender a história de um povo para, assim, conseguir desenhar uma perspectiva de futuro. Quando uma população não sabe da história de seu próprio povo, as perdas são imensuráveis para todo o país”, ressaltou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar