Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

UTIs da rede pública estabilizam em 70% de ocupação

Até o momento da publicação desta reportagem, 68 pacientes aguardam leito de UTI na capital. Desse total, 3 são pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19

Por Guilherme Gomes 01/07/2021 8h38
Foto: Secretaria de Saúde

Nesta quinta-feira (1º), a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para Covid está em 71,57% nos hospitais públicos do DF. Isso porque 58 leitos estão vagos, de acordo com a última atualização do InfoSaúde-DF, feita às 08h25. Das vagas disponíveis, 44 são para pacientes adultos, 6 para crianças e um neonatal.

A situação nos hospitais particulares é um pouco mais apertada, mas segue na estabilidade. A taxa de ocupação dos leitos de UTI gerais está em 80,8%. As UTIs Covid-19 permanecem com 83,56%. 36 leitos estão disponíveis, todos para pacientes adultos.

Esse não foi o cenário presente em toda a pandemia. As UTIs da rede pública já agonizaram em várias semanas seguidas com a taxa de ocupação acima dos 95%. A situação só mudou após a entrega de 3 hospitais de campanha na cidade. Com 100 leitos de cuidados intermediários cada, as unidades conseguiram desafogar os hospitais públicos.

Lista de Espera

Até o momento da publicação desta reportagem, 68 pacientes aguardam leito de UTI na capital. Desse total, 3 são pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19.

Vacinação na capital

De acordo com o último boletim informativo, de quarta-feira (30), o DF tem 983.368 vacinados da primeira dose, mais 339.713 pessoas que levaram a segunda dose e 15.241 da dose única. Nas últimas 24h foram 13.707 vacinados da primeira dose, 1.227 da segunda dose e 87 da dose única.

A vacinação contra a Covid-19 começou no Distrito Federal no dia 19 de janeiro. Já foram recebidas 699.560 doses da vacina CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Além das 808.550 mil doses da vacina Covishield, desenvolvida pela universidade inglesa de Oxford, com a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca, 135.840 da Pfizer e 18.950 da Janssen.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar