Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Urgente: polícia dispersa indígenas com bombas de gás na Câmara

Com bombas de efeito moral, gás lacrimogênio e balas de borracha, a PM tentou dispensar os indígenas que protestavam

Imagens cedidas ao Jornal de Brasília

Guilherme Gomes e Geovanna Bispo
[email protected]

Cerca de 700 indígenas entraram em confronto, nesta terça-feira (22), com a Polícia Militar do DF nas proximidades da Câmara Federal. O clima é tenso entre os manifestantes e a força de segurança. Os indígenas protestavam contra a votação do PL 490, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de um projeto que muda o Estatuto do Índio, que dificulta a demarcação de terras indígenas.

(Photo by Sergio Lima / AFP)

O relator do texto, o deputado Arthur Maia (DEM-BA), propôs a retomada de terras reservadas em favor da União, caso ocorra a “alteração dos traços culturais da comunidade”.

Segundo a coordenadora-geral da organização Levante pela Terra, Isabela Tukano, a manifestação ocorria pacificamente, quando, ao se aproximarem da barricada junto à Câmara, a polícia começou a atirar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. “Fomos recebidos com muita truculência. Estávamos vindo como todos os dias. As crianças foram recebidas a balas, há pelo menos três indígenas feridos. Estamos desarmados.”

Em nota, a PMDF afirma que os indígenas realizavam o protesto em frente ao Anexo 2 da Câmara dos Deputados. “Os seguranças do Congresso reagiram com bombas de gás. A PM foi acionada e chegou ao local pouco tempo depois”, afirma a nota.

O policial militar Ricardo Miranda foi ferido com uma flecha na perna durante o movimento e terá que passar por uma cirurgia. Além dele, o agente administrativo Luiz Emílio também foi ferido no tórax, mas passa bem. Outro policial militar, que não teve o nome divulgado, também acabou ferido com uma flecha no pé.

Veja imagens da ação:

Imagem cedida ao Jornal de Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar