Brasília

“Um anjo da guarda de todos nós”. Em ato de bravura, PM salva 20 moradores de incêndio

Por Arquivo Geral 12/05/2017 7h00
Ariadne Marçal

Amanda Karolyne
[email protected]

Uma história que tinha tudo para ser enredo de filme de ação: herói de farda salva 20 pessoas de um incêndio que, segundo investigação, pode ter sido criminoso. Na madrugada de quarta-feira, o policial militar Heitor Theodoro da Silva, 34, patrulhava a primeira avenida de Samambaia Sul quando se deparou com o fogo em uma clínica de pilates na Quadra 316. Sem pensar duas vezes, ele arrombou a porta do prédio para retirar os moradores. Pelo ato de bravura, o governador Rodrigo Rollemberg decidiu promover o cabo para terceiro sargento. Uma comissão vai analisar o pedido de Rollemberg.

Em um primeiro momento, os policiais acharam que ninguém morava no local por ser um prédio comercial. “Foi então que vi a cabecinha de uma criança pela janela, olhando com curiosidade”, comenta Theodoro. Segundo ele, o espaço estava sem ventilação e a fumaça era muito forte. “Eu não sabia quanto tempo os bombeiros iriam demorar para chegar e fui de quitinete por quitinete colocando os moradores para fora”.

O policial se comoveu com uma mãe e a filha de colo que não conseguiam sair do apartamento. “Ela estava nervosa e não conseguia abrir o cadeado. Então eu a ajudei e trouxe a criança”, afirma.

Theodoro se considera abençoado por ter a chance de estar no lugar e hora certos. “Meu trabalho é um sacerdócio, fazemos um juramento de ajudar as pessoas”, destaca. Ele nunca havia passado por situação parecida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre as vítimas, o sentimento é de gratidão. “O policial foi bastante corajoso de ter feito o que fez”, diz José Maria, 20, marido da mulher resgatada com a criança. “Ela está se sentindo mal devido à situação, mas tudo ficou bem”, assegura.
O pedreiro Luiz Inácio Leite, 45, pensou que o local estava sendo invadido por ladrões quando o policial entrou batendo nas portas. Para ele, Theodoro foi como um herói. “Um anjo da guarda de todos nós. São poucos os que teriam essa atitude. Coração do ser humano a gente não conhece, né?”, reflete.

“Ele foi um anjo da guarda de todos nós. Poucos teriam essa atitude”, Luiz Inácio Leite, pedreiro. Foto: Ariadne Marçal

“Ele foi um anjo da guarda de todos nós. Poucos teriam essa atitude”, Luiz Inácio Leite, pedreiro. Foto: Ariadne Marçal

A suspeita de que tenha sido um incêndio criminoso é reforçada por Luiz. “Um indiano tinha uma barraquinha de verduras em frente à clínica, e atearam fogo em tudo”, aponta. “Queriam estragar as vendas de uma pessoa e ainda fizeram um estrago muito maior”.

Quem também pensou que o prédio estava sendo assaltado foi o garçom Antônio Rodrigues Filho, 57. “Porque no mundo em que estamos vivendo, nunca se sabe”, alega. Ele ligou para a polícia quatro vezes para avisar que tinha algo errado. “Só percebi que era um incêndio quando o policial apareceu na minha porta”, conta. “Olha, nem todos agiriam como o policial, viu?!”, conclui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

O governador Rodrigo Rollemberg se encontrou com o policial e o parabenizou pela coragem. O Cabo Heitor já é considerado um herói de farda.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar