Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Traição exige maturidade de ambas as partes e perdão é algo possível

Por Arquivo Geral 05/08/2012 4h14

Andréia Castro

Especial para o Jornal de Brasília

 

No final de julho, a atriz Kristen Stewart, 22 anos, conhecida pela saga Crepúsculo, virou o centro das atenções depois que fotos dela trocando beijos e carinhos com o diretor Rupert Sanders, 41, vieram à tona. A traição abalou sua relação com o então namorado Robert Pattinson, 29, ator que faz par romântico com a ex nas telonas. Os traidores Kristen e Rupert, que é casado, se pronunciaram publicamente, mas Robert preferiu o silêncio.

 

Revistas de fofoca afirmam que o ídolo teen estaria de coração partido e furioso, além de ter se mudado da casa em que morava com Kristen. Duas palavras difíceis de conciliar, traição e perdão caminham lado a lado e, durante a tempestade, parece impossível enxergar uma solução. Desejo de vingança, depressão, vontade de matar e de morrer são sentimentos vividos pelo traído.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O primeiro passo é descobrir se ambos desejam realmente manter a relação. Depois disso, é preciso passar por alguns estágios, difíceis e dolorosos, que envolvem muita mágoa”, explica o terapeuta de casais Fábio Caló, do Instituto de Psicologia Aplicada (InPA).

 

Segundo Fábio, esse não é um momento fácil e demanda tempo e mudanças severas de comportamento. “Responsabilizar o outro e se eximir de toda a culpa não é o caminho indicado”, esclarece. “Acima de tudo, é necessário maturidade para enfrentar o problema. Os dois necessitam ter clareza da importância e da qualidade da parceria. Caso contrário, o perdão não ocorre de verdade”, completa o terapeuta.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O arquiteto Gustavo (nome fictício), 31, conseguiu o que parecia impossível: perdoou a namorada numa fase crucial do namoro e deu a volta por cima. Casou-se e, hoje, tem um filho com a mulher que um dia o fez pensar em tirar a própria vida.

 

“Tinha convidado ela para morar comigo e, culpada, ela resolveu abrir o jogo. Não perdoei de imediato. Xinguei, briguei, mandei sumir da minha frente, mas depois de várias noites sem dormir e muitas lágrimas derramadas, percebi que também tinha culpa e que, antes mesmo de ela me enganar, o namoro ia mal por minha causa. Vi que não valia a pena jogar tudo fora por um erro momentâneo e justificado”, confessa.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Quando o relacionamento vai mal, ambos têm culpa. Na terapia, buscamos esse reconhecimento e que o casal tenha coerência para buscar novas regras para seguir adiante”, afirma Fábio Caló.

 

Motivos dos infiéis

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Considerados culpados até prova em contrário, os homens têm a fama de trair bem mais que as mulheres. Mas, diferente do que a maioria possa pensar, eles traem menos pela falta de sexo conjugal e mais devido a motivações emocionais. Quem garante é o terapeuta de casal americano M. Gary Neuman, no livro A Verdade Sobre a Traição Masculina, que figurou por meses entre os mais lidos no New York Times. 

 

Neuman entrevistou cem homens fiéis e infiéis. Na pesquisa, perguntou o motivo da infidelidade: 48% disseram tratar-se, principalmente, de insatisfação emocional; 32%, insatisfação emocional e sexual de igual valor; 13% revelaram outro tipo de insatisfação ou nenhuma insatisfação; e 8% citaram insatisfação sexual como principal causa.

 

Quando o traído está disposto a perdoar, vê-se diante de um pesadelo emocional e, às vezes, passar a limpo a história de vida com o parceiro e a própria história se torna o principal desafio. “Haverá troca de acusações, crises de ansiedade, irritabilidade. Os homens reagem de maneira mais violenta que as mulheres, mas o processo nunca é fácil. A obsessão de esperar outra traição está sempre lá”, analisa o terapeuta Fábio Caló. Para ele, a reação do traído é muito pesada, “muitas vezes, o trauma pode ser maior que o causado por uma acidente automobilístico, por exemplo. Já que, neste caso, o tratamento causa efeito mais rapidamente”.

 

O casal Rejane Barbosa e William Martins, ambos de 38 anos e casados há 19, têm opiniões diferentes sobre o  tema. A psicóloga diz que perdoaria um deslize, mas o servidor público garante que não. “Quando um trai, não significa que o outro é totalmente vítima. Acho que a responsabilidade deve ser dividida”, explica Rejane.

 

“Quando acontece, é porque o casamento já não vai bem. Mas penso que, nesse caso, é preciso separar, e não trair. A princípio, eu não perdoaria de jeito nenhum”, garante William. Pais de cinco filhos, o casal assume que as respostas poderiam ser diferentes se tivessem sido perguntados separadamente. “Cada caso é um caso. Como sou terapeuta, talvez seja mais fácil para mim tentar perdoar”, resume.

 

Após o escândalo, a atriz Kristen Stewart pediu, em público, que Robert Pattinson a perdoasse. Se ainda existir amor, por que não?






Você pode gostar