Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Secretaria de Saúde mantém realização de cirurgias eletivas no DF

Além disso, a pasta ativou cinco leitos de UTI Covid adulto no Hospital Daher

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

Embora haja um aumento da taxa de utilização de leitos de UTI para casos de Covid-19, a Secretaria de Saúde vai continuar a efetuar cirurgias eletivas, que foram suspensas por vários meses em 2020, o que resultou no crescimento da fila de espera.

“Os leitos que temos para retaguarda de cirurgias, que são leitos de alta complexidade, é um número pequeno e que não impacta no número de leitos de Covid-19. Então, não faz muita diferença torná-los específicos para Covid”, explica o secretário adjunto de Assistência, Petrus Sanchez.

Segundo o gestor, a ideia de aumentar leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para disponibilizar aos pacientes acometidos pela Covid-19 é transferir os pacientes que estão internados há muito tempo com Covid, mas que não são mais transmissores da doença, para leitos não Covid.

Sanchez esclarece que a Secretaria de Saúde acompanha diariamente a taxa de ocupação dos leitos de UTI Covid e se for necessário parar novamente as cirurgias eletivas, a pasta tomará essa decisão.

Ampliação de leitos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Secretaria de Saúde ativou cinco leitos de UTI Covid adulto no Hospital Daher. Agora, são 20 leitos disponíveis para atender pacientes do SUS na unidade.

Até o final desta semana, a Secretaria de Saúde irá ativar outros 17 leitos no Hospital Regional de Samambaia (HRSam). Dez já existem e serão remobilizados. Outros sete serão reativados em uma nova ala.

Aumento da produção cirúrgica em 2020

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo com a pandemia, a Secretaria de Saúde alcançou, em 2020, a segunda maior produção cirúrgica hospitalar histórica, desde 2009, com 63.948 cirurgias realizadas de janeiro a dezembro. Mesmo com as restrições impostas pela pandemia de Covid-19, como a suspensão de cirurgias eletivas de junho a outubro – mês em que se iniciou a liberação gradativa dos procedimentos -, o ano passado só não supera 2019, quando foram feitas 68.247 cirurgias e não havia registro da Covid-19 no Brasil.

As informações são da Agência Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar