Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Saúde e Transporte discutem vacinação de rodoviários

Imunização segue orientações do Ministério da Saúde e inclusões de novos grupos leva em consideração o PNI

Usuários de transporte público e motoristas de ônibus usam máscaras de proteção contra covid-19 na rua da Consolação

Na manhã desta sexta-feira (30), as secretarias de Saúde e Transporte e Mobilidade debateram a inclusão dos rodoviários nas próximas etapas da vacinação contra a covid-19. O Distrito Federal segue as orientações do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI) na definição do grupo elegível para receber a vacina.

No momento, a categoria dos rodoviários não está prevista no PNI para receber o imunizante.

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, propôs que os representantes dessa categoria enviem uma lista com aqueles que estejam na faixa etária de 55 a 59 anos e que tenham comorbidades. Dessa forma, a sugestão do secretário é poder atender dentro dessa etapa, os rodoviários que estiverem dentro dos critérios do PNI.

O secretário de Transporte e Mobilidade, Valter Casimiro Silveira, disse que vai trabalhar junto ao Ministério da Saúde para que a categoria seja incluída nos grupos prioritários e, consequentemente, no sistema de vacinação.

Durante a reunião, que também contou com representantes da categoria, Okumoto e o subsecretário da Vigilância à Saúde (SVS) e Coordenador do Comitê de Vacinação, Divino Valero, explicaram os critérios utilizados para definir as prioridades de vacinação. Os gestores destacaram que a pasta já recebe do governo federal o quantitativo definido de doses para cada público-alvo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Divino informou que como não há previsibilidade nas notas técnicas do Ministério da Saúde do público dos rodoviários, não seria possível realizar o cadastramento no sistema e receber as doses. O subsecretário disse entender que do ponto de vista epidemiológico as reivindicações são válidas, mas que é preciso esse trâmite junto ao Ministério da Saúde.

As informações são da Agência Brasília

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar