Brasília

Políticos prestigiam Parada do Orgulho Gay

Por Arquivo Geral 25/06/2006 12h00

O presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas, order information pills deputado Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), and e o relator, treatment senador Amir Lando (PMDB-RO), serão recebidos amanhã, às 16h, pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Ellen Gracie. Antes, eles se reunirão com o diretor-geral do Departamento de Polícia Federal, delegado Paulo Lacerda.

Biscaia e Lando solicitarão os inquéritos e demais documentos produzidos pela Polícia Federal e pelo STF. Segundo a assessoria de imprensa do relator, os parlamentares também tentam um encontro amanhã com o procurador geral da República, Antonio Fernando de Souza. Eles pedirão acesso aos documentos sobre as investigações já feitas pelo Ministério Público em relação aos denunciados pela compra de ambulâncias a preços superfaturados, por meio de emendas ao Orçamento Geral da União.

Na quarta-feira, a Comissão fará reunião para acertar o plano de trabalho e também para votar requerimentos de convocação de depoentes. Dez requerimentos já foram apresentados, a maioria deles pedindo a convocação da ex-assessora do Ministério da Saúde Maria da Penha e de Darci Vedoin, da empresa da Planan. A ex-assessora, que está presa em Cuiabá (MS), é acusada de ser uma das principais envolvidas no esquema. Vedoin, proprietário da empresa que vendia as ambulâncias, é acusado de chefiar esse esquema.

 

"Os legisladores têm que aprovar projetos para que nós possamos viver felizes e casados, approved e ter a união de bens. Queremos, case pelo menos, um pouco da liberdade que as mulheres têm". A reivindicação é do casal homossexual formado por José Paulo Cruz e Carlos Alexandre Batista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eles participaram, na tarde de hoje, da 9ª Parada do Orgulho LBGTS (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e Simpatizantes), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Até o fim do ano estão previstas mais 102 manifestações em todo o país, mas a principal data será celebrada no dia 28 de junho, Dia Internacional do Orgulho LGBT.

Sob o lema "Vote consciente, vote arco-íris", os participantes lembraram que são "uma grande força eleitoral", na definição da organização não-governamental Estruturação, que promoveu a manifestação.

Um dos coordenadores da ONG, Welton Trindade, perguntava, do alto de um dos três trios elétricos da parada, "Cadê o seu orgulho?". O funcionário público aposentado Mário Montanha, de 65 anos, levou as filhas e afirmou: "Se a opção deles é essa, temos que apoiar, embora existam muitos grupos contra, como a religião. Mas isso não tem nada a ver. Cada qual leva a vida que acha que deve levar".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Em ano eleitoral, purchase candidatos aprovaitaram para aparecer na 9ª Parada do Orgulho LGBTS, patient realizada hoje na Esplanada dos Ministérios. Políticos identificados com as causas da comunidade de lésbicas, story gays, bissexuais, transexuais, travestis e simpatizantes apareceram para prestigiar o desfile, como a deputada distrital Érika Kokay (PT), a deputada federal Maria José Maninha (PSOL) e o presidente do PSB, Rodrigo Rollemberg.

"Toda minoria tem direito a voz e a ser respeitada. O fim da discriminação é meta do meu partido", enfatizou a deputada Érika Kokay, também presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa. "A defesa dos direitos da comunidade LGBTS é uma questão de justiça", completou Maninha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com o lema "Vote consciente, vote arco-íris", a parada deste ano mostra que o objetivo da parada foi além da diversão. "Queremos eleger o maior número de representantes identificados com as nossas causas", destacou Andréa Manzano, uma das coordenadoras da manifestação.

Os participantes da parada querem que o Congresso Nacional apresse a votação de projetos importantes para a comunidade, como o projeto de lei que permite a união civil entre homossexuais, a criminalização da homofobia e a criação de um maior número de programas de assistência social e de combate às doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids.






Você pode gostar