Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Para eliminar a dengue, DF multiplica inspeções domiciliares

São mais de 1,3 mil agentes comunitários de saúde distribuídos por todas as regiões do DF para orientar a população, identificar e eliminar os pontos

Cerca de 90% dos ovos do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências. Foto: Sandro Araújo, da Agência Saúde-DF

As inspeções domiciliares, aliadas no combate à propagação da dengue, foram multiplicadas pela Secretaria de Saúde. Até agora, a pasta já inspecionou 1,7 milhão de lares no Distrito Federal em busca de focos do mosquito Aedes aegypti. São mais de 1,3 mil agentes comunitários de saúde distribuídos por todas as regiões do DF para orientar a população, identificar e eliminar os pontos de reprodução.

“Este ano nosso trabalho foi potencializado com a contratação de mais 500 agentes de saúde que vão ajudar muito. O objetivo das visitas domiciliares é a questão educativa da população e também a corretiva, com a aplicação de produto para eliminar os focos encontrados”, explica o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

De acordo com ele, cerca de 90% dos ovos do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências. Conforme o último Boletim Epidemiológico de janeiro a junho deste ano, foram registrados 55.063 casos prováveis de dengue.

“Nossos agentes de saúde fazem um trabalho de instrução da população e correção de qualquer possível foco do mosquito, mas a população deve estar atenta a fatores que são propícios à proliferação do mosquito, como o acúmulo e descarte incorreto de lixo doméstico”, completa Divino.

Além das visitas domiciliares, a SES conta com outras ações para eliminar o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Entre elas destaca-se a borrifação espacial.

“Este ano, 2,5 milhões de imóveis já foram contemplados com a borrifação em todas as regiões administrativas do Distrito Federal, além de 358 mil depósitos que precisaram ser tratados”, contabiliza o subsecretário. Segundo ele, as equipes utilizam uma metodologia criteriosa para a aplicar do produto, que é adquirido pelo Ministério da Saúde.

“Essa é uma das ações mais eficientes no combate ao Aedes Aegypti, juntamente com o cuidado que cada cidadão pode ter dentro de casa”, completa Divino Valero.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O fumacê, como é popularmente conhecido, atinge uma área de mais de dois mil imóveis por aplicação. O produto é borrifado no final do dia e durante a madrugada, quando há menos corrente de vento, e melhor aproveitamento do serviço.

Outras medidas estratégicas estão sendo desenvolvidas, como é o caso da parceria com a Secretaria de Educação do DF. “Estamos levando a educação para dentro das escolas públicas. Assim, as crianças e jovens serão nossos ‘agentes’ em suas casas. Eles terão um olhar crítico em seus lares e podem levar essas instruções para o resto da vida”, ressalta o subsecretário.

Importância da prevenção

É necessário que a população não se esqueça de reforçar os cuidados em casa, como limpar e esvaziar os pratos dos vasos de plantas, além de manter as caixas d’água, cisternas e outros recipientes de armazenamento d’água bem fechados.

Outra recomendação é evitar deixar garrafas e pneus em locais onde possam acumular água. “O mosquito Aedes aegypti voa 1m de altura e costuma estar presente em lugares mais escuros da casa, como quarto e cozinha. Então, abra as cortinas e as janelas”, reforça Divino Valero.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para aqueles que não escaparam do mosquito, o coordenador de Atenção Primária da SES, Fernando Erick Damasceno, explica que 80% dos casos de dengue são resolvidos sem a necessidade de internação hospitalar.

“A Atenção Primária faz o acolhimento e atua nos casos suspeitos com diagnóstico clinico-epidemiológico. Depois dessa avaliação passamos para a hidratação e manutenção adequada, favorecendo o melhor prognóstico do paciente com dengue”, explica Fernando Erick. “Esse manejo clínico é o mais importante. É o que chamamos de ‘hidratação adequada em tempo oportuno’, que evita que os casos fiquem mais graves”, acrescenta.

Mosquito em debate

Nesta quinta-feira (30) a dengue foi assunto no Seminário de Combate às Arboviroses, promovido pelo Consórcio Brasil Central (BrC). Profissionais da Secretaria de Saúde participam ativamente com três palestras com explanações sobre combate e captura do mosquito; e protocolo de atendimento na rede de saúde.

“O encontro reunirá técnicos de todos os estados participantes do BrC e será uma grande oportunidade de trocarmos ideias e exemplos de boas práticas, e tais informações poderão compor, inclusive, nosso Plano Estratégico”, esclarece o subsecretário Divino Valero.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

*As informações são da Agência Saúde








Você pode gostar