Brasília

Novas aglomerações no Enem

Segundo dia de provas foi similar ao primeiro em alguns locais: sem aferição de temperatura e distanciamento nos portões

Neste segundo dia de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no Distrito Federal, novas aglomerações aconteceram na entrada de locais de prova. No Centro Universitário UDF (Asa Sul) e na Uniplan (Águas Claras), mesmo diante das recomendações de distanciamento mínimo entre pessoas, os candidatos permaneceram em grupos próximos uns aos outros. Da mesma forma que no domingo passado (17), a aferição de temperatura corporal não foi feita em ambas as faculdades.

Afastado do grande grupo reunido em frente ao portão de entrada da Uniplan, para o candidato a Ciência da Computação, Mateus Mative, 17 anos, toda a situação demonstra despreparo do Inep – banca organizadora do Enem – para evitar a proliferação do novo coronavírus na capital. Na opinião dele, o exame deveria ter sido adiado.

“Tudo bem que tem a questão de aferir nota para entrar na universidade no segundo semestre, mas pela saúde, não valia a pena. Ali [próximo à entrada] está entupido de gente. Se não fosse a pandemia, sem problemas, mas a questão é que tem um monte de gente junta em um espaço propício para espalhar um vírus que está matando tanta gente no mundo. O pior é passar para um parente do grupo de risco. Se isso acontecer, já era”, afirmou.

Dentro da sala de prova, o estudante nao teve problemas com lotação e ficou mais tranquilo para fazer o exame. Dentro do mesmo local que Mateus, apenas outras quatro pessoas fizeram a prova. “Tive de esperar todos terminarem a prova para poder sair, por conta de uma ata que precisam preencher com um certo número de assinaturas”, comentou.

No segundo dia, o exame foi dividido entre 45 questões de Matemática e outras 45 questões de Ciências da Natureza – conteúdos de Química, Física e Biologia. Os candidatos tiveram cinco horas até o término da avaliação para entregar os gabaritos. Este ano, o índice de abstenção de candidatos para a realização das provas correspondeu a mais de 50%. São aproximadamente 5,8 milhões de concorrentes no Brasil e pouco mais de 113 mil no Distrito Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Apreensão

Os três amigos Rogério Eustáquio, 18 anos, Catarina Paiva e Bárbara Arcoverde, ambas de 17 anos, se encontraram em frente à UDF e debateram sobre a prova antes de entrar na faculdade para a segunda etapa. “Para a prova de hoje, não estou muito confiante, porque não é a minha área”, confessou Catarina, que quer cursar Direito. Ela alegou que, apesar do nervosismo no primeiro dia, saiu-se muito bem. “Achei a prova muito cansativa, mas de certa maneira considerei fácil, e gostei do tema da redação”.

Bárbara Arcoverde quer cursar fisioterapia, mas não é muito amigável à principal matéria do dia: a matemática. “Essa segunda prova vou fazer focada na matemática básica e na regra de três”, brincou. Ela se sentiu menos pressionada na semana passada, com a primeira etapa do exame. “Gostei das questões, elas estavam bem explicadas. E o tema da redação foi muito bom e válido para a atualidade”.

Já Rogério Eustáquio, 18, estava bastante seguro para a prova de ontem. Apesar de buscar a entrada na universidade para a graduação em Sociologia, ele se considera melhor estudante na área das ciências exatas. “É engraçado ser o oposto, mas é o que eu quero mesmo”, justificou. “Estou confiante.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dois minutos atrasada

Apesar do esforço para conseguir entrar a tempo, a candidata Maria Otilia perdeu o fechamento dos portões por dois minutos. De acordo com ela, que mora no Cruzeiro Novo, os fatores que atrapalharam a chegada na UDF antes das 13h – horário de fechamento dos portões – foram o desconhecimento do trajeto pelo marido até o centro universitário da Asa Sul, e o trânsito pesado.

“Fui bem na primeira prova. Saí de casa por volta de 12h20 e no relógio do meu celular ainda faltavam cinco minutos para poder entrar”, afirmou. Maria é estudante do terceiro semestre de nutrição em uma faculdade particular do DF e estava aplicando no Enem para garantir um desconto nas mensalidades.

“Eu gostaria da compreensão deles por causa do trânsito. Cheguei antes das provas serem distribuídas, dava tempo de entrar. Isso não é justo”, disse. Ela solicitou que a coordenadoria do local reavaliasse a situação, mas não havia mais nada que pudesse ser feito a respeito. “Após o fechamento dos portões, ninguém entra mais”, explicou um dos coordenadores da aplicação do exame.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Malena Kerpel, 18, chegou a entrar, mas saiu mais cedo da sala de prova – antes mesmo da avaliação começar. A estudante, que quer cursar biologia, chegou à UDF cerca de 20 minutos antes do fechamento dos portões, mas esqueceu o documento com foto em casa. De acordo com a candidata, a confiança no primeiro dia era maior que a do segundo, mas a infelicidade atrapalhou seus planos neste primeiro momento.

“Quero trabalhar como agente na Polícia Civil e, para prestar o concurso, preciso de um curso de nível superior”, afirmou. Apesar do contratempo, ela entende que há outras oportunidades e maneiras de conquistar o sonho. Malena participa e planeja a candidatura de outros processos seletivos neste ano.

Pedido negado

Na última quinta-feira (21) o apelo feito pela Defensoria Pública da União (DPU) pelo adiamento da segunda etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi negado pela Justiça Federal, que decidiu mantê-la na data previamente estabelecida.

De acordo com o órgão solicitante, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) não foi competente para administrar as medidas contra a covid-19 nos locais de prova. No entendimento da magistratura encarregada, porém, não houve provas suficientes para atestar negligência da banca aplicadora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Saiba mais

As próximas etapas do Enem acontecem para os aplicantes da prova em modelo digital, a ser realizada pela primeira vez por 100 mil estudantes, para outros que contraíram a covid-19 ou outras doenças infectocontagiosas durante o período da aplicação das provas, e para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL). As datas são:

  • 31 de janeiro e 7 de fevereiro para as provas digitais;
  • 23 e 24 de fevereiro para aqueles com falta justificada e PPLs;
  • Aqueles que precisam justificar ausência pela covid-19 ou outra doença infectocontagiosa devem enviar comprovantes no portal do candidato até a próxima sexta-feira (29).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Você pode gostar