Brasília

Ministério da Cidadania vai estimular prática de skate em escolas do DF

Inicialmente, três instituições vão ofertar as aulas. Skatista fala sobre os benefícios que o programa pode trazer

Por Willian Matos 23/02/2021 12h16
Foto: divulgação

O programa Skate Escola, do Ministério da Cidadania, vai estimular a prática do skate nas escolas públicas do Distrito Federal em 2021. O convênio foi firmado entre a Secretaria de Educação do DF e a Secretaria Especial de Esporte do Ministério.

Inicialmente, apenas três escolas serão beneficiadas. São elas:

  • Centro Educacional 01 da Estrutural;
  • Centro de Ensino Fundamental Dra. Zilda Arns, no Itapoã;
  • Centro de Ensino Médio (CEM) Elefante Branco (aulas serão no Centro Integrado de Educação Física (CIEF), que fica ao lado).

Serão quatro turmas a cada trimestre, com, no máximo, 15 alunos, divididos por faixa etária. A escola dará todo o material, incluindo o skate. As turmas terão um professor de educação física, um de skate e um coordenador técnico. A Secretaria vai, posteriormente, contratar mais desses profissionais.

Inicialmente, o projeto deve durar 1 ano e 4 meses, mas pode ser prolongado caso dê tudo certo. As respectivas escolas devem informar aos alunos quando as aulas começarão, uma vez que as atividades presenciais estão suspensas devido à pandemia de covid-19.

O skatista Mateus Carvalho (Naticongo) cita que ensinar skate nas escolas acolhe alunos que gostam de esportes, mas não se identificam somente com os mais populares. “É um meio de informação sobre materiais, culturas, roupas, socialização e estimulo de relaxamento”, cita.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para Mateus, ensinar skate nas escolas dá “maior segurança para aprender e praticar”, além de atrair ainda mais os alunos. “Quanto mais opções a escola tiver para acolher grupos, melhor será para a sociedade”. O skate ainda pode ser um meio de transporte, como lembra o skatista, e pode ser usado ainda para brincadeiras lúdicas.

O secretário de Educação, Leandro Cruz, fala em reduzir o déficit de “atividades de aventura”; “A democratização do skate, com ferramentas adequadas, pode colaborar na prática esportiva nas escolas e também ajudar na aprendizagem dos estudantes, além de possibilitar a redução das taxas de abandono e aumento do rendimento escolar”, afirma o secretário, que também já foi chefe de Esporte no DF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar