Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Estudo compara características das Regiões Administrativas do DF

A Pdad é a principal fonte de informação do GDF para subsidiar políticas públicas e oferecer melhor qualidade de vida aos moradores

Foto: Agência Brasília

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) divulgou, nesta quarta-feira (06), uma pesquisa comparativa dos aspectos domiciliares e socioeconômicos das 33 Regiões Administrativas (RAs) do DF.

No estudo, que faz parte da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) 2021 por Unidade de Planejamento Territorial (UPT), os moradores da capital podem conhecer as características demográficas, econômicas, de migração, trabalho e renda, condição social, etnia, estado civil, aspectos habitacionais e infraestrutura dos habitantes.

Segundo o documento, das mais de 3 milhões de pessoas que moram no DF, 350.247 moram em Ceilândia, a região mais populosa. Já o Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) é o local com menos moradores, com apenas 1.737 pessoas vivendo na região.

Já em questão de renda, o Lago Sul tem rendimento bruto mensal de R$ 31.322,91, contra as regiões do Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (SCIA) e da Estrutural que, juntas, tem média mensal de R$ 2.014,03.

Em idade, o Lago Sul também ocupa o primeiro posto de pessoas idosas, que compões 42,48% da população loca. Já o SCIA tem o maior número de pessoas jovens, com 27,46%.

Na última edição, além das questões tradicionais, a pesquisa trouxe como novidade o questionário de identidade de gênero e orientação sexual para os maiores de 18 anos, questões de insegurança alimentar e sobre animais domésticos nos domicílios. Com isso, a Codeplan buscou trazer uma análise de todos os resultados para que os brasilienses pudessem entender melhor cada RA.

A Pdad é a principal fonte de informação do Governo do Distrito Federal (GDF) para subsidiar políticas públicas e oferecer melhor qualidade de vida aos moradores. É, também, a pesquisa que auxilia a imprensa local com dados evidentes. Em 2021, o estudo visitou mais de 30 mil residências da capital a fim de produzir um panorama sobre o Distrito Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar