Brasília

Em tempos de crise hídrica, grilagem aumenta os riscos de desabastecimento da população

Por Arquivo Geral 22/05/2017 6h00
Rafael Ribeiro/Cedoc/Jornal de Brasília

João Paulo Mariano
[email protected]

A ocupação irregular de terras é o maior problema ambiental do Distrito Federal, na avaliação da Secretaria de Meio Ambiente (Sema). Não há dados sobre a quantidade de área devastada em função do problema, mas o governo garante que o combate é feito constantemente. A tentativa é evitar que essas irregularidades cresçam e ofereçam ainda mais perigo às áreas de preservação.

O secretário da Sema, André Lima, alerta que a preocupação, em especial, é com o dano às áreas de aquíferos e mananciais, levando em consideração a crise hídrica. “O clima e a biodiversidade também podem ser afetados. Uma série de problemas pode surgir com a ocupação movida pela grilagem”, afirma Lima.

Segundo o mapa elaborado pela equipe técnica do Zoneamento Ecológico-Enomômico (ZEE), mais de 60% da área de Cerrado no DF está desmatada, tendo a grilagem como a maior culpada. Apenas 41% do DF apresenta Cerrado nativo. Desse universo, 3,8% apresenta um risco muito alto de perda de vegetação e, 31%, um risco médio. O aumento dos incêndios florestais, tanto acidentais quanto criminosos, também é resultado da ocupação desenfreada.

Saiba mais

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– No ano passado, a Agefis desenvolveu um aplicativo para celulares e tablets que ajuda a população a registrar denúncias de invasões de terras públicas. Mesmo que a pessoa não tenha certeza, é possível denunciar para que a região seja verificada. Todos os dias, há quatro equipes fazendo operações.

– Outra ação que tem ajudado é o Seminário de Combate à Grilagem de Terras Públicas no DF, que vai ocorrer em junho: uma iniciativa da agência com o apoio do Comitê de Governança do Território que acontece anualmente com o objetivo de discutir medidas para coibir a cultura de invasão de terras.

O que não faltam no DF são áreas de importante valor ambiental ocupadas por invasores, que, por vezes, estão nos locais há décadas. Como era o caso do Parque Ezequias Heringer, no Guará, onde o governo espera desocupar mais de 5 milhões de hectares até o fim do ano. Há ainda áreas em São Sebastião, Ceilândia, Vicente Pires e bem próximo ao centro da cidade, como o Assentamento 23 de Setembro, no Parque Nacional, que os grileiros tentam batizar de Vicente Pires 2.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bacia do Descoberto

Diante da pior crise hídrica da história do DF, o secretário André Lima expõe que as ocupações na área da Bacia do Descoberto são uma das maiores preocupações atuais. Quase 65% dos brasilienses utilizam e bebem água desta fonte.
A grilagem causa o assoreamento e a contaminação de lagos e rios e leva ao aumento da impermeabilização do solo, facilitando enxurradas e enchentes. Assim, seria necessário proteger essas e outras áreas que têm nascentes, uma vez que 25% do território do DF apresenta alto risco de perdas de áreas de aquíferos – aquelas com “recarga” de água para rios.

Fiscalização e combate

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para a Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), as regiões de São Sebastião, o Assentamento 26 de Setembro e a área de Bacia do Descoberto, em Brazlândia, são as mais críticas em relação à grilagem de terra. O combate é feito com monitoramento por imagens de satélite, helicóptero e drones.

Neste ano, teriam sido desocupados 10 bilhões de metros quadrados em ações de combate. Um dos exemplos seria a retirada de moradores que estavam há mais de uma década irregularmente no parque Ezechias Heringer e na Reserva Ecológica do Guará, que engloba uma área de 5.473.283 m².

Até a última semana, 5.206.200 m² foram desobstruídos. A Agefis garante que a operação só vai acabar quando toda a região ambiental estiver desocupada.

Versão oficial

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o ambientalista Luiz Mourão, as ocupações irregulares e até mesmo as legais, sem controle, causam prejuízo ao meio ambiente e aumentam a crise hídrica. Isso porque a produção de água no Cerrado já seria pequena por características endêmicas do bioma. Com o desmatamento e a falta de cuidado, tudo ficaria mais complicado. “Nós nunca tivemos um sistema de fiscalização integrado.

O sistema que o governo fez funciona adequadamente para os casos mais esdrúxulos e até permite o auxílio do controle da comunidade. Mas não há transparência para todos os locais. Parece que é feito de forma aleatória e não sistematizada”, reclama.

Ele também se preocupa com a área da Bacia do Descoberto, uma importante região de produção de água ameaçada pela ocupação das margens dos rios e lagos. “É uma região muito sensível, que tem a maior capacidade de produção, mas é a mais ameaçada. É preciso muito cuidado com ela”, diz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ambientalista espera que no futuro o manejo dessas regiões seja feito de uma forma mais cuidadosa, para que o DF não enfrente mais problemas do que já tem.






Você pode gostar