Menu
Brasília

Dia dos Refugiados: projeto acolhe no DF quem precisou deixar tudo para trás

O programa atua em três âmbitos: no fortalecimento de capacidades individuais para a autonomia, por meio de cursos profissionalizantes; de Português; de aprendizagem, e na melhoria das condições de vida e saúde de venezuelanos

Redação Jornal de Brasília

20/06/2024 10h09

Projeto Acolhidos por meio do trabalho. Foto: Davi Moisés

Por Ana Clara Mendonça, Davi Moisés e Paulo Mac Culloch
Agência de Notícias CEUB

“Estamos satisfeitos demais, agradecidos pela oportunidade, acolhimento e recebimento”, afirma Maria Gabriela Gonzalez, venezuelana que veio com a família para recomeçar a vida no Brasil. Nesta quarta (20 de junho), é Dia Mundial dos Refugiados.

A professora venezuelana, em vista dos problemas socioeconômicos do país vizinho, buscou refúgio no Brasil.

Em dois dias chegou à fronteira junto com o marido e os dois filhos. Na sequência, eles foram para Boa Vista (RR) e receberam a documentação e suporte médico.

Ali, eles ficaram por dois meses e meio em um abrigo até serem selecionados pelo projeto “Acolhidos por meio do trabalho”. Depois, eles foram para a capital federal.

Busca de autonomia


Maria Gabriela se estabeleceu em Brasília com o apoio do projeto de integração socioeconômica “Acolhidos por meio do trabalho”.

O programa atua em três âmbitos: no fortalecimento de capacidades individuais para a autonomia, por meio de cursos profissionalizantes; de Português; de aprendizagem, e na melhoria das condições de vida e saúde de venezuelanos.

A venezuelana nunca pensou em morar em Brasília, mas com o surgimento da vaga no abrigo temporário Casa Bom Samaritano (CBS) não hesitou de vir com a família. As oportunidades foram o ponto chave da escolha.

Maria Gabriela e a Família. Maximiliano Guerrero, marido e os filhos Sebastian Alejandro, 9 anos e Diego Alejandro, 14. Foto: Acervo pessoal de Maria.

Casa Bom Samaritano


A CBS é um centro de acolhimento para imigrantes refugiados que chegam em Brasília através do projeto “Acolhidos por meio do trabalho”.

O projeto é da fundação AVSI Brasil (Associação Voluntários para o Serviço Internacional) com ajuda do IMDH (Instituto de Migrações de Direitos Humanos). O financiamento é do PRM (Escritório de População, Refugiados e Migração) do Governo dos Estados Unidos.

Integração


A Casa abriu as portas no dia 4 de fevereiro de 2021. Liderados pela cogestão da Irmã Rosita Milesi (IMDH) e Fabrizio Pellicelli (AVSI), que conseguiram um espaço cedido pela Conferência Nacional dos Bispos Brasileiros (CNBB), uma casa na QI 5, no Lago Sul.

Com o objetivo de facilitar a integração de refugiados e imigrantes venezuelanos no Brasil, a casa conta com 18 quartos, cozinha equipada, refeitório, lavanderia , brinquedoteca e salas de aulas para cursos.

Foto: projeto Acolhidos por meio do trabalho, Casa Bom Samaritano.

Moradia para refugiados

É um espaço para até 94 imigrantes, onde serve como moradia temporária por três meses. Na CBS, eles recebem apoio para alimentação, educação, saúde e trabalho até completarem o período de acolhimento. Conheça a Casa

Maria Gabriela se mudará para uma casa no Paranoá após o acolhimento. Ela está satisfeita no trabalho, onde foi bem recebida, em uma cafeteria. O marido Maximiliano trabalha em um hotel, e os filhos estão recebendo apoio na escola. 

“Toda vez que tenho oportunidade, eu agradeço, é muito importante essa mudança de vida. Mais do que para mim e para o meu esposo, essa mudança é para os meus filhos” relata a refugiada.

Após se estabelecer em Brasília, Maria pretende trazer o resto da família para o Brasil. 

A Casa recebe doações diretamente no local. +55 (61) 99608-2008, número de contato.

    Você também pode gostar

    Assine nossa newsletter e
    mantenha-se bem informado