Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Deputado pede afastamento de promotora que publicou cartazes nazistas

A promotora publicou no Facebook, no dia 17 de setembro de 2016, sete posts com imagens de cartazes nazistas e mensagens de apoio a Adolf Hitler

Por Guilherme Gomes 23/09/2021 12h30
Foto: reprodução/redes sociais

Após a descoberta de publicações de cartazes nazistas por parte da promotora Marya Olímpia Ribeiro Pacheco, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o deputado distrital Fábio Felix apresentou uma reclamação disciplinar à Corregedoria Nacional do Ministério público. O documento pede o afastamento imediato da promotora, a instauração de processo administrativo disciplinar e sindicância.

A promotora publicou no Facebook, no dia 17 de setembro de 2016, sete posts com imagens de cartazes nazistas e mensagens de apoio a Adolf Hitler. Após a repercussão negativa, o perfil de Marya passou a ter acesso restrito. O Facebook informou na noite desta quarta-feira que removeu o conteúdo nazista publicado pela promotora.

“Não permitimos conteúdo que elogia, apoia ou representa o nazismo e removemos conteúdos violadores mencionados pela reportagem”, informou o Facebook.

Entre as publicações de cunho nazista, estavam exaltações a Hitler e frases como: “Kämpft für führer und volk”, que significa ‘Lute pelo líder e pelas pessoas’. De acordo com a Lei ederal Antirracismo, é crime veicular símbolos do nazismo para fins de divulgação. A pena é de multa e prisão de dois a cinco anos.

Confira algumas das imagens compartilhadas pela promotora do DF

Marya Olímpia

A promotora do Distrito Federal se declara bolsonarista. Ela chegou a compartilhar uma foto de um ‘crachá’ onde declara apoio ao presidente e se diz da milícia das mídias sociais.

Além das postagens de cunho nazista, a promotora também compartilhou posts com teor homofóbico e racista. Ela chegou a ser investigada por homotransfobia na capital.

Seguidora de Olavo de Carvalho, a promotora compartilhou posts que associavam “gayzismo” a sociopatia. Em outra, associou homossexualidade a pedofilia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar