Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Combate à dengue ganha reforço em regiões com maiores índices

Seis regiões do DF possuem alto índice de infestação do mosquito: lagos Sul e Norte, Park Way, Sobradinho II, Planaltina e Itapoã

Em reunião no Palácio do Buriti, a Subsecretaria de Vigilância em Saúde apresentou as notificações de 800 casos prováveis de dengue na primeira quinzena de janeiro na capital | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

A partir desta semana, o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, será intensificado em diversas regiões do Distrito Federal. A Subsecretaria de Vigilância em Saúde e vários administradores, em reunião na última sexta-feira, 22, ajustaram ações para ações contra à doença. De acordo com números da pasta, 800 casos prováveis de dengue foram notificados na primeira quinzena de janeiro na capital.

O levantamento mensal, feito pela subsecretaria, indicou que seis regiões administrativas do DF possuem alto índice de infestação do mosquito: lagos Sul e Norte, Park Way, Sobradinho II, Planaltina e Itapoã. Essas regiões receberão, já nessa semana, a ação do fumacê e visitas técnicas da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival).

“Estamos atuando em todo o DF. Porém, o estudo apontou que essas cidades apresentam no momento maior vulnerabilidade para a dengue. Dessa forma, várias ações de combate serão realizadas nesses locais”, explicou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

“Não se trata somente de visitas domiciliares, agora faremos o tratamento focal no combate ao mosquito. Sabemos que ele está ali no local e vamos eliminá-lo”, complementou.

O DF conta atualmente com 1.257 agentes de vigilância ambiental, já em ação na ‘guerra’ ao Aedes aegypti. Além do tradicional fumacê, estratégias como o uso de armadilhas para o vetor da dengue, de drones para identificar áreas infestadas e a ‘fabricação’ de mosquitos com a bactéria Wolbachia, que inibe a transmissão da doença, são empregadas pela Secretaria de Saúde.

Valero, no entanto, lembra que a colaboração da população é fundamental neste enfrentamento. “É importantíssimo que cada cidadão incorpore o papel de agente contra a dengue dentro do próprio domicílio. O morador deve observar seu quintal e checar se há algum depósito com água, um balde que possa acumular água quando chover. Verificar também se a caixa d’água está fechada corretamente. Tudo isso é indispensável”, frisou.

Em cada cidade, tipos diferentes de foco

Um dos participantes do encontro, o administrador do Itapoã, Marcus Cotrim, contou que se surpreendeu com o alto índice de infestação em sua RA. “Trata-se de um problema antigo no Itapoã e temos de reforçar esse combate. Em nossa cidade, o acúmulo de lixo nas residências e também a existência de muitos terrenos baldios são as principais dificuldades”, pontuou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já o gestor do Park Way, Maurício Tomaz, destacou a preocupação em conscientizar os moradores sobre a necessidade de eliminar qualquer tipo de água parada. “A ‘guerra’ é individual, mas o resultado é coletivo. É necessário divulgar, fazer ações midiáticas para que o cidadão possa fazer sua parte e combater o mosquito”, finalizou.

Com informações da Agência Brasília








Você pode gostar