Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasília

Brasília, 61 anos: “As pessoas daqui não são frias”, diz coreana de 78 anos

Ela chegou a Brasília com 21 anos de idade em situação difícil e nunca mais deixou a capital que ela aprendeu a amar

Por Agência UniCeub 21/04/2021 10h46

Por Isabela Domanico, Lorena Rodrigues, Fernanda Bittar e Maria Eduarda Cardoso
Jornal de Brasília/ Agência Uniceub

A sul-coreana Joung Ja Chang tinha apenas 21 anos de idade quando acompanhou a família, em fuga da guerra no país natal, para atravessar o mundo e chegar a um lugar desconhecido e amistoso. Era o ano de 1964, quando chegou ao Brasil, junto com outras 68 famílias em um navio. Nem imaginaria que começaria ali também um período de 21 anos de ditadura militar. Depois de passar por Vitória (ES), a família se mudou com bagagens e esperanças para uma cidade nova, a capital recém-criada, com apenas quatro anos de história. O tempo de recomeço para estrangeiros e brasileiros que passaram a chamar Brasília de nova casa. “Nunca achei as pessoas frias. Aqui é fácil fazer amizade”, garante a sul-coreana. 

Acolhimento em Brasília

Mesmo diante da boa impressão de Joung Ja Chang, o historiador Deusdedith Rocha Junior afirma que o acolhimento a estrangeiros no Brasil sempre foi regido por situações de classe, raça e gênero. “O mesmo preconceito que as elites devotam aos trabalhadores brasileiros, elas também dão aos trabalhadores estrangeiros que vêm para cá”, explica o pesquisador. 

O professor Deusdedith acredita que, ao mesmo tempo em que os estrangeiros têm uma presença importante na nossa história, a característica principal é a da diversificação.

A sul-coreana indica que uma das realidades que estranhou é o  número de pessoas com nacionalidades diferentes.  “Naquela época não se viam estrangeiros na Coreia”. Em janeiro de 2020, Brasília tinha 17.741 estrangeiros, vindos principalmente da Venezuela, Haiti e Colômbia. 

Cidade em crescimento constante

Maurício Goulart, arquiteto e urbanista representante do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, afirma que a cidade é o exemplo mais acabado de conjunto urbano construído em decorrência dos preceitos modernistas da arquitetura e urbanismo. O público assimila a cidade como aparência de uma libélula ou borboleta ou, como mais comentado, o formato de avião. O crescimento populacional instigou os problemas de desigualdade social na cidade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Organização e modernidade

Brasília foi reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Mundial em 1987, e em 1990 tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Está na lista que contém bens culturais, bens naturais e bens mistos.

Para pesquisadores do urbanismo em Brasília, como os professores Sávio Guimarães e Júnia Marques, o Plano Piloto de Brasília, elaborado por Lúcio Costa, é único no mundo por ser uma “cidade moderna” que vinha sendo desenvolvidas desde fins do século 19. Eles argumentam que o plano de Brasília foi o primeiro a possuir uma configuração morfológica bem distinta das cidades tradicionais e uma distribuição espacial baseada na setorização.

Os pesquisadores ainda apontam que a preferência pela forma rodoviária e não privilegiando pedestres é uma das características urbanísticas mais fortes da cidade, o que leva a problemas, como maior  movimento da cidade nos fluxos por ela em determinadas horas do dia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo diante desses problemas, Brasília, 61 anos depois, é sonho para migrantes de diferentes lugares, como é o caso de Tainar Borges, de 24 anos, moradora de Sobradinho, que foi motivada a mudar de sua cidade, Ilha de Vera Cruz (BA) por falta de emprego. 

“Sair da minha cidade para vir morar aqui em Brasília foi muito bom e ao mesmo tempo foi triste, porque eu sabia que viria para mudar de vida e que iria ser melhor pra mim, mas ao mesmo tempo tive que deixar minha família lá.” afirma a baiana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar