Brasília

Anúncio atraente inicia golpe do aluguel

Por Arquivo Geral 24/08/2016 7h00
Kléber Lima

João Paulo Mariano
Especial para o Jornal de Brasília

A agente de viagens Tathiana Costa Damasceno morava em Águas Claras com os dois filhos – de nove e seis anos –, mas queria voltar para o Guará, onde residiu durante grande parte da vida. Na internet, ela encontrou o local perfeito: um apartamento de dois quartos, em condomínio fechado, com segurança e parquinho. Era tudo o que ela queria, até descobrir que não passava de uma farsa: ela caiu no golpe do aluguel. O crime se soma a outros já investigados pela 4ª DP (Guará).

“Fiquei sem chão. Foi uma semana de choro”, desabafa a vítima, que já havia juntado caixas com as crianças para a mudança. A agente de viagens soube do apartamento na QI 25 pelo site OLX e se entusiasmou com o preço, mais barato que o normal. O primeiro contato com a anunciante ocorreu no último dia 10.

A suposta corretora se apresentou com o nome falso de Sarah de Abreu Martins. Tinha CPF e RG que, segundo a polícia, não eram verdadeiros. A negociação se estendeu por dois dias, via telefone, e-mail e aplicativos. A conversa da mulher transmitiu confiança.
As duas chegaram ao valor final de R$ 800, mediante pagamento da metade do valor do caução – três meses de aluguel adiantado, R$ 2,4 mil. Um recibo confirmou a transação.

No dia 12, Tathiana pegou dinheiro emprestado com amigas e entregou R$ 1,2 mil nas mãos da suspeita, conforme a exigência da golpista, ao evitar um depósito. A estelionatária pressionou para que a agente de viagens pagasse logo, pois faria uma viagem e queria deixar o dinheiro para o filho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando as duas foram ao apartamento, ficaram pouco tempo. Sarah não quis conversar dentro do imóvel, só fora. As poucas imagens que se tem da suspeita foram entregues pelo condomínio à vítima.

Cada vez mais comum

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após ser lesada, a mulher descobriu como o golpe foi executado: Sarah entrou em contato com uma imobiliária, pegou a chave, tirou uma cópia e fez toda a farsa da visitação do apartamento. De acordo com integrantes do setor, a ação é mais comum que se imagina, em especial nos casos em que a pessoa faz todo o contato pela internet.

“Isso ocorre constantemente”, garante o presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis (Sindimóveis-DF), Geraldo Nascimento. Ele que conhece bem o setor e avisa que é preciso tomar cuidado. Para Nascimento, o trabalho do corretor é essencial para que esses problemas não ocorram: “Com o profissional, isso é praticamente inexistente. Ele tem de deixar a identidade quando vai levar a chave”.

O corretor comenta que é comum os golpistas pedirem o cheque caução de três meses antes da assinatura do contrato. Às vezes, a exigência é de até um ano de aluguel adiantado, com a promessa de desconto até 50%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ou seja: se a proposta for muito tentadora, a atenção deve ser maior ainda. Em geral, as imobiliárias cobram 5% do valor de venda e de 10 a 15% em administração para aluguéis. Apesar de compreender as dificuldades financeiras atuais, ele aconselha a contratação.

A Polícia Civil informa que há outros casos em apuração sobre o mesmo assunto no Guará. Conforme o JBr. já mostrou, só em uma casa no Conjunto D da QE 32, existem seis denúncias diferentes.

Como se precaver de novos delitos

A especialista em defesa do consumidor Ildecer Amorim destaca que o contrato de aluguel é regido pela Lei de Locação, não pelo Código de Defesa do Consumidor, como outras relações comerciais. Mas ela alerta que, como a oferta foi feita na web, é regulada pelo Marco Civil da Internet. Assim, o site pode ser responsabilizado, não de forma criminal, mas cível, já que hospedou anúncio de alguém que praticou um crime.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dicas

Veja com vizinhos do imóvel ou com o porteiro, no caso de apartamento, há quanto tempo a residência está vazia e quem seria o dono.

Lembre-se: o barato pode sair caro. É preciso desconfiar de vantagens excessivas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando for possível, faça o contato em locais públicos e só feche negócio se tiver a certeza de que o acordo vai ser respeitado.

Se desconfiar de qualquer ação, guarde comprovantes e conversas e vá até a polícia.

“Tem de haver um contrato que vai resguardar ambas as partes. Se possível, ver no registro imobiliário se há o nome da pessoa que se diz dona”, relata a especialista. Para Ildecer, anos atrás, todo esse aparato não era necessário, mas hoje é preciso ter cautela e tomar cuidado com a “oferta de vantagens excessivas”. “A lábia dos estelionatários é muito boa. Quando forem oferecidas vantagens muito grandes, desconfie”, diz.

O Jornal de Brasília ligou para a suspeita Sarah no número repassado à vítima, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Procurada, a OLX, site que divulgou a oferta de aluguel, lamenta o ocorrido, coloca-se à disposição das autoridades para colaborar no que for necessário e informa que disponibiliza um botão de denúncia em todos os anúncios. A OLX recomenda que, quando os usuários verificarem práticas irregulares ou conteúdos indevidos, denunciem o conteúdo no próprio site ou entrem imediatamente em contato com a equipe de atendimento ao cliente da empresa.

A OLX informa ainda, em seu site, que é preciso alguns cuidados: desconfie se o anúncio é bom demais para ser verdade ou se o anunciante pressiona para a finalização da compra. Além disso, a empresa diz que, mesmo que quem anuncia forneça dados pessoais, isso não garante a veracidade e a idoneidade dela.

 






Você pode gostar