Brasília

Acidente com sete carros deixa um ferido perto da Ponte Costa e Silva

Por Arquivo Geral 30/09/2006 12h00

A Polícia Federal confirma que o delegado Edmilson Bruno é o responsável pela divulgação das fotos do dinheiro que seria usado por militantes do PT para compra de dossiê contra candidatos do PSDB. Segundo a PF, visit dosage Bruno não só divulgou as imagens para a mídia, information pills como foi o autor das fotos.

Como delegado de plantão, case Bruno foi o responsável pela prisão de Gedimar Passos, agente aposentado da PF, e Valdebran Padilha. Ambos trabalhavam na campanha à reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva e foram presos com R$ 1,7 milhão que seria usado para a compra do dossiê.

Depois da prisão, Bruno não ficou mais responsável pelo caso. Segundo PF, o delegado mentiu aos peritos que analisavam o dinheiro, afirmando que estava investigando o caso. Tirou as fotos e as repassou para a imprensa.
Familiares dos passageiros do vôo 1907 da Gol que aguardavam informações oficiais sobre o resgate no local do acidente criticaram a ausência de informações precisas ao longo deste sábado. Em Brasília, viagra buy Manaus e no Rio de Janeiro, viagra 40mg que compunham a origem, more about a escala e o destino final do vôo, os parentes repetiram críticas contra os representantes da empresa e autoridades. A empresa respondeu que não possuía informações até o primeiro contato dos militares Aeronáutica com o local dos destroços, que, por sua vez, alegaram extrema dificuldade para acessar a área do acidente.

Em Manaus, por exemplo, familiares reclamaram que as informações oficiais sobre o resgate demoram a chegar e os funcionários da empresa não davam explicações sobre o que aconteceu no local do acidente. Revoltado, Francisco Garcia, pai do passageiro Francisco Garcia Filho, disse que a postura da empresa mostra que isso pode ser um indício de que nenhuma pessoa esteja viva. Após reunião, os familiares em Manaus foram convidados pela empresa ir a Brasília em um vôo da manhã deste domingo para aguardar novas informações.

O filho de Francisco viajava a trabalho. Segundo o pai, faz o trajeto Manaus-Brasília a cada 15 dias, porque é pequeno empresário do setor de transportes e tinha negócios da capital federal. “Entendo que é uma fatalidade, mas fico impressionado com a falta de informação. Eles jogam a culpa para o governo, que me parece que uma bruta incompetência”, resume o pai.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Da mesma forma, Alessandro Naranjo, marido da passageira Elisabeth da Costa, e pai de Raíssa da Costa Naranjo, que também estava no vôo, também criticou o fato. “O que incomoda a gente é a falta de informação. Eles empurram com a barriga e passam o dia aqui sem resolver nada. A única coisa que eles ofereceram para gente foi um vôo amanhã às 10h40. O que já poderia ter sido feito hoje”, disse.

Em Brasília, familiares criticaram a falta de informação ao longo da madrugada de sábado. No Rio de Janeiro, essa também foi a reclamação comum dos parentes. Um deles, Sérgio Luiz Moraes de Souza, disse que, após ir até o aeroporto, voltou para casa porque funcionários da companhia aérea se comprometeram a ligar para dar informações. Como não recebeu nenhum telefonema, resolveu voltar no aeroporto. “A orientação que deram para a gente foi ficar em casa para ter notícia, mas não adianta ficar porque eles não dão informação nenhuma. Enquanto eles não falarem que não há sobreviventes, há esperanças”, disse ele.

O brigadeiro Antônio Gomes Leite Filho disse que a equipe da Aeronáutica conseguiu chegar ao local do acidente somente no final da tarde por causa da "complexidade da mata" e, por isso, ainda não se pode confirmar se há sobreviventes. "A equipe de resgate que conseguiu chegar ao local apenas identificou alguns destroços, porém não conseguiu completar o circuito em volta desses destroços para que nós possamos identificar se há algum indício de sobrevivente", completou. No entanto, ele reconhece que a probabilidade de encontrar sobrevivente é "muito pequena", não só pelo acidente, mas pela área que é muito fechada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na entrevista coletiva em São Paulo, a empresa não deu novos esclarecimentos sobre o acidente. A Gol disse que pretende dar todo o apoio aos familiares e que o melhor modo de obter novas informações é utilizar o telefone 0800 28 00 749. O comunicado entregue à imprensa diz que a Gol pretende anunciar em breve “um cronograma das reuniões periódicas” que pretende realizar com as famílias dos passageiros.

Uma batida ocorreu na noite deste sábado, pills no caminho para a Ponte Costa e Silva. O trânsito ficou congestionado. Sete veículos se envolveram no acidente. O trânsito ficou congestionado e foi desviado.

O advogado Fábio Gomes Gama, story 28 anos, foi levado pelos bombeiros ao Hospital de Base com suspeita de fratura na coluna. Ele foi o único ferido no acidente. Gama foi submetido a exame de Raio X.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o eletrotécnico Divino Dias Santos, 53, que dirigia uma caminhonete envolvida no acidente, caía uma chuva fina na hora da batida. Tudo aconteceu quando um Gol atingiu a traseira de um Honda. A motorista colocou o triângulo em cima do carro. Uma Hilux parou para auxiliar e obstruiu a visão de quem vinha. Um Ka bateu na Hilux e não houve tempo dos outros carros frearem.

Confira a matéria na íntegra amanhã, na edição impressa do Jornal de Brasília






Você pode gostar