fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Secretário dos EUA afirma interesse em projetos nucleares no Brasil

O secretário de Energia dos Estados Unidos, Dan Brouillete, afirma que há interesse da indústria americana em participar da construção de novas plantas nucleares no Brasil

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

De olho no crescimento da fonte nuclear na matriz energética brasileira, o governo americano está fazendo uma ofensiva para garantir seu espaço nesse mercado. No Rio para a primeira reunião do Fórum de Energia Brasil-Estados Unidos (USBEF), nesta segunda-feira, 3, o secretário de Energia dos Estados Unidos, Dan Brouillete, afirma que há interesse da indústria americana em participar da construção de eventuais novas plantas nucleares no Brasil e em projetos de exploração de urânio, hoje monopólio estatal.

Brouillette veio ao Rio acompanhado de representantes da indústria nuclear dos Estados Unidos, como a Westinghouse. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, vai assinar uma carta de intenções entre a companhia norte-americana e a Eletronuclear relativa ao plano de extensão da vida útil da usina de Angra 1 por mais 20 anos. Primeira central nuclear do País, Angra 1 entrou em operação em 1985 e sua atual licença vence em 2024.

O memorando seria um primeiro passo na cooperação entre os dois países na área nuclear. O secretário mencionou a possibilidade de troca de conhecimento, por exemplo, para o desenvolvimento de reatores nucleares de pequeno porte como os produzidos pela norte-americana NuScale e que, ele apontou como fundamentais para o desenvolvimento econômico de áreas rurais remotas do País. Além, é claro, da construção ou fornecimento de tecnologia caso avance o plano de construção de novas usinas nucleares.

A indústria americana tem uma longa experiência com energia nuclear. Se a decisão do governo Bolsonaro for construir novas plantas estaremos prontos a participar desse esforço“, afirmou a jornalistas. O mesmo vale para serviços de enriquecimento e conversão de urânio.

Questionado sobre as críticas ao governo brasileiro na esfera ambiental, Brouillete defendeu que ao iniciar tratativas para desenvolver o setor nuclear o Brasil está demonstrando seu compromisso com a economia de baixo carbono. A avaliação do secretário é que o espaço para ampliar a participação da fonte hídrica na matriz energética brasileira está esgotada e que para avançar em fontes renováveis como eólica e solar, que são intermitentes, o País terá que investir em outra fonte mais estável como nuclear ou gás.

O ministro Bento Albuquerque tem afirmado que a expansão da energia nuclear é uma prioridade no atual governo. Os planos incluem a construção de mais seis reatores nucleares no Brasil nos próximos 10 anos, com investimentos de US$ 30 bilhões.

A criação do Fórum de Energia Brasil-Estados Unidos (USBEF) foi uma iniciativa surgida em março de 2019 durante um encontro entre os presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro em Washington. Em pauta estará uma agenda de cooperação conjunta com foco em três áreas: petróleo e gás; energia nuclear; e eletricidade/eficiência energética.

Além da carta de intenções assinada entre Eletronuclear e Westinhouse haverá ainda a cerimônia da assinatura de um Memorando de Entendimento que amplia a cooperação bilateral entre a Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares (Abdan) e o Instituto de Energia Nuclear (NEI, na sigla em inglês).

O evento contará com uma delegação de autoridades de diversas agências americanas, incluindo o Departamento de Comércio, Departamento de Estado, Agência de Comércio e Desenvolvimento dos EUA, Departamento do Tesouro, Escritório do Representante Comercial dos EUA e Corporação Financeira de Desenvolvimento Internacional dos EUA.

Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade