fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Saúde exclui população carcerária de plano inicial de vacinação contra a Covid-19

A pasta argumenta que ainda não há estudos suficientes a respeito da transmissibilidade e letalidade que justifiquem que os detentos sejam incluídos no grupo prioritário

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Renato Machado
Brasília, DF

O Ministério da Saúde estuda mudanças no plano de vacinação contra a Covid-19. Uma delas é a retirada da população carcerária do grupo prioritário na imunização.

A pasta argumenta que ainda não há estudos suficientes a respeito da transmissibilidade e letalidade que justifiquem que os detentos sejam incluídos no grupo prioritário.

“A definição de grupos de risco [e posteriormente de grupos prioritários para serem vacinados] depende dos estudos epidemiológicos e dos resultados da fase 3 de cada vacina, que definirão a bula do imunológico”, informou, por nota, o ministério.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ministério disse ainda que os grupos prioritários estão sendo definidos e, por isso, quem será vacinado de forma prioritária e as fases disso poderão sofrer alterações, complementou a pasta.

“Além disso, a inclusão de outros grupos prioritários ocorrerá à medida em que mais doses e vacinas sejam disponibilizadas após licenciamento da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e dos acordos de aquisição de vacinas”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde, ao apresentar nesta quarta-feira (9), o plano de vacinação, em audiência na comissão da Câmara dos Deputados, já excluiu a população carcerária do material projetado aos parlamentares.

A população carcerária estava prevista para ser vacinada contra a Covid-19 na quarta e última fase do plano preliminar de imunização. Esse plano inicial prevê imunizar grupos prioritários, seja pelo risco de agravar a doença ou de propagar o novo coronavírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A proposta prevê que serão imunizados na primeira fase idosos a partir de 75 anos -ou a partir de 60, caso vivam em asilos-, indígenas e profissionais da área da saúde.

Na segunda fase, a imunização será aplicada em idosos de 60 a 74 anos. A etapa na sequência prioriza pessoas com comorbidades, como pacientes com cardiopatias e doenças renais crônicas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

A quarta e última fase deve atender professores, trabalhadores das forças de segurança, do sistema prisional. Era nesse grupo que estavam incluídos os presos.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade