fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Mesmo com alta da covid, Rio não muda regras; shoppings poderão funcionar 24h

Os anúncios foram feitos em conjunto pelo governador do Estado, Cláudio Castro (PSC), e pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos)

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Apesar de o comitê científico de combate à covid-19 da Prefeitura do Rio ter recomendado o fechamento de praias e a suspensão de eventos esportivos, sociais e culturais, a capital fluminense não irá alterar as atuais regras de distanciamento social. A única mudança está na suspensão das aulas presenciais na rede municipal de ensino. Outra medida, essa de alcance estadual, é que shoppings centers e centros comerciais do Rio de Janeiro poderão funcionar durante 24 horas.

Os anúncios foram feitos em conjunto pelo governador do Estado, Cláudio Castro (PSC), e pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), no Palácio Guanabara. Na avaliação dos dois chefes do Executivo, as atuais medidas de distanciamento “são suficientes”, mas o que falta é uma maior fiscalização “e conscientização das pessoas”.

A autorização para os shoppings ficarem abertos durante 24 horas partiu do prefeito Marcelo Crivella, que disse ter conversado com representantes da categoria. A proposta também foi aceita pelo governador Cláudio Castro.

Assim, shoppings e centros comerciais de todo o Estado poderão funcionar por 24 horas já a partir desta sexta-feira. A medida não tem prazo para encerrar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Vai durar até que a pandemia exigir”, pontuou Castro. “A intenção é evitar a correria das pessoas para as compras de Natal, e assim evitar aglomerações”, justificou Crivella.

Tanto o governador quanto o prefeito consideraram desnecessário retomar medidas restritivas aplicadas no passado, mesmo diante de um quadro crescente de casos de covid-19.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O que precisamos é conscientizar as pessoas e fiscalizar. Estamos aumentando nossa fiscalização”, afirmou Castro.

E o fechamento de praias no Rio foi descartado por Crivella. “Quando a gente proíbe alguma coisa, às vezes tem efeito contrário”, considerou o prefeito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade