fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Incêndio atinge prédio anexo do Museu de História Natural da UFMG

O prédio atingido era um anexo de reserva técnica onde ficava parte do acervo do museu que não estava em exposição

Avatar

Publicado

em

fogo
PUBLICIDADE

Fernanda Canofre
Belo Horizonte, MG

Um incêndio nesta segunda-feira (15) atingiu um prédio ligado ao Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), na região leste de Belo Horizonte. As causas do fogo, identificado por volta das 5h30, ainda são apuradas pela Polícia Federal.

O prédio atingido era um anexo de reserva técnica onde ficava parte do acervo do museu que não estava em exposição. A universidade ainda calcula os danos. Ao todo, o museu tem mais de 265 mil peças de arqueologia, paleontologia, cartografia histórica, arte popular, etnografia, botânica, geologia, zoologia e em biblioteca.

“Certamente é uma área que nos preocupa muito. Três salas foram afetadas, mas só vamos ter realmente notícia quando a perícia for concluída”, diz Mariana Lacerda, diretora do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela afirma que a fiação elétrica do prédio foi refeita em 2013. O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais foi acionado por volta das 6h pelos vigias do local.

Segundo o tenente Thiago Lobo, coordenador de bombeiro da unidade envolvida na operação, o fogo demorou cerca de vinte minutos para ser controlado. O trabalho de rescaldo no local precisou de três horas e meia para ser concluído, por se tratar de material sensível.

“A gente tenta preservar e a água também danifica. Então, a gente tentou combater um incêndio, na fase do rescaldo, preservando ao máximo o material que não tinha sido atingido”, afirma.

Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, parte do acervo que estava dentro de armários de metal parece ter sido preservada, mas a avaliação só poderá ser feita depois de concluída a perícia da Polícia Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a pandemia do novo coronavírus, o local estava fechado para visitas, mas os trabalhos de pesquisa seguiam. O Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG tem acervo de mais de 265 mil itens, que incluem peças e espécimes preservados e vivos (parte da coleção vegetal) e o Presépio do Pipiripau, do artista Raimundo Machado.

Considerada tesouro da arte popular do século 20, a obra é composta por 586 peças móveis, distribuídas em 45 cenas, que contam a vida de Jesus Cristo em meio ao cotidiano de uma cidade. A obra não estava local, porque estava em espaço de exposição, segundo a UFMG.

A área total do museu é de cerca de 600.000 m², que incluem um espaço com vegetação típica da Mata Atlântica, com espécies nativas e exóticas. O museu tem 3.750 livros e 19.134 números de periódicos, nacionais e estrangeiros em sua biblioteca.

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade