fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Forças Armadas prenderam 127 pessoas em ações de combate a fogo na Amazônia

Segundo Ministério da Defesa, 1.835 focos de incêndio foram combatidos durante os 2 meses das operações do que o governo batizou de “Operação Verde Brasil”

Aline Rocha

Publicado

em

Amazonia
Foto: REUTERS/Bruno Kelly
PUBLICIDADE

As ações coordenadas pelas Forças Armadas entre 24 de agosto e 24 de outubro, para o combate dos incêndios na região amazônica, resultaram na detenção de 127 pessoas.

O dado foi informado nesta terça-feira, 29, pelo Ministério da Defesa. No total, segundo informações da Pasta, 1.835 focos de incêndio foram combatidos durante os dois meses das operações do que o governo batizou de “Operação Verde Brasil”.

O efetivo no período chegou a 10 mil pessoas, entre militares integrantes de agências municipais, estaduais e federais, segundo a Defesa. Na logística, foram usadas 467 viaturas, 37 aeronaves e 159 embarcações. Além das 127 pessoas presas, foram apreendidos 178 embarcações.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apresentados pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, a queimada na região amazônica neste ano ficou abaixo da média histórica. “A história de que a Amazônia estava em chamas não é bem assim”, comentou. “O mês de setembro, que, normalmente, é o pior mês em todos os anos, neste ano abaixou. Tenho certeza de que nossas ações são parte disso”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os militares informaram que destruíram 45 acampamentos ilegais e apreenderam mais de 26 mil litros de combustível. As revistas atingiram 1.453 veículos e 1.961 embarcações.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo esteve, por 10 dias, nos Estados de Rondônia e Amazonas, desde 25 de agosto. Neste período, verificou in loco a dificuldade de execução dos trabalhos por equipes do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). Quando os grupamentos das Forças Armadas chegaram à região de 2 mil quilômetros percorrida pela reportagem, o fogo já tinha atingido o pico em diversas regiões, como o sul do Amazonas e a região central do Pará.

 

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade