fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Estudo mostra que homens se arriscam mais em ultrapassagens perigosas

Foram convidados 100 voluntários de todas as faixas etárias e com habilitação para participar de experimentos em um simulador de direção

Avatar

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
PUBLICIDADE

De acordo com um estudo feito pela Universidade de São Paulo (USP) indicou que homens entre 18 e 25 anos têm probabilidade 42% maior de se arriscarem em manobras de ultrapassagem do que mulheres ou homens com mais idade. As pistas simples são consideradas as mais perigosas das rodovias. O trabalho foi desenvolvido pela Escola de Engenharia da Universidade de São Carlos.

Foram convidados 100 voluntários de todas as faixas etárias e com habilitação para participar de experimentos em um simulador de direção, capaz de reproduzir virtualmente qualquer tipo de rodovia de forma realista. Uma rodovia de pista simples com mão dupla foi projetada para a pesquisa, propondo aos motoristas que fizessem as ultrapassagens no momento em que julgassem adequado.

“A pesquisa comprovou que jovens do sexo masculino tendem a se arriscar mais neste tipo de ultrapassagem perigosa. Observamos que eles colavam bastante na traseira do veículo da frente e realizavam várias tentativas malsucedidas de ultrapassagem, tendo que retornar à posição de origem. Muitas vezes eles faziam ultrapassagens enquanto um veículo vinha no sentido oposto, ao contrário das mulheres, que esperavam o carro passar”, disse a professora Ana Paula Larocca, do Departamento de Engenharia de Transportes (STT) da universidade e coordenadora do estudo.

Segundo a professora, esse comportamento mais agressivo dos homens dessa faixa etária pode ser explicado por um maior excesso de confiança, que acaba elevando o risco da condução. “Tanto é que eles fazem parte do grupo que mais se envolve em acidentes.” A pesquisa mostrou ainda que homens da faixa etária seguinte, de 25 a 35 anos, têm 36% mais chances de se arriscar em ultrapassagens em pista simples do que homens mais velhos e mulheres.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os resultados da pesquisa geraram dois artigos que foram publicados em revista científica internacional. O estudo faz parte da tese de doutorado de Aurenice da Cruz Figueira.

Dados apresentados pelos pesquisadores, com base no banco de dados da Polícia Rodoviária Federal (Datatram), mostram que 94% dos condutores envolvidos anualmente em acidentes de colisão frontal no Brasil são homens, e que entre 2008 e 2018 ocorreram 15 mil mortes, sendo que motoristas entre 20 e 50 anos são os que mais aparecem nas tragédias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“No mesmo período, ocorreram ao todo no país 1,5 milhão de acidentes em rodovias federais e, embora as colisões frontais representem apenas 3,2% do total, elas são responsáveis por 31% das mortes: em dez anos, foram registrados 25 mil óbitos, além de 17 mil feridos graves e 25 mil feridos leves”, divulgaram os pesquisadores.

Para a coordenadora do estudo, resultados como os deste trabalho podem colaborar para a criação de campanhas de conscientização, de estímulo ao bom comportamento e de percepção de risco voltadas a esse público. Outras possíveis ações seriam a instalação de novas placas, estabelecimento de normas técnicas, obras de infraestrutura e até a reformulação da geometria da rodovia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações da Agência Brasília




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade