fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Ceará transfere 257 presos que comandam ataques criminosos

Ministério da Justiça oferece vagas no Sistema Penitenciário Federal para receber internos responsáveis por chefias ações

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Da redação
redacao@grupojbr.com

O Ministério da Justiça e Segurança Pública disponibilizou vagas no Sistema Penitenciário Federal para receber internos no Ceará responsáveis por chefiar as ações criminosas que vêm ocorrendo no estado desde a última sexta-feira (20). 257 presos foram transferidos como “forma preventiva e tática”, segundo a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP). 

O governador do estado, se pronunciou na tarde desta terça-feira (24) e afirmou que conversou com o ministério da Justiça, Sérgio Moro, para avaliar a possibilidade e a necessidade do reforço de tropas federais para auxiliar no combate aos ataques.

Foram registrados pelo menos 42 ataques no estado coordenados por facções contra presídios, transportes coletivos, caminhões, carros particulares e uma torre de telefonia, desde a sexta-feira (20). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), 31 pessoas foram capturadas até o momento, sendo 24 somente nesta terça-feira. Destas, sete são adolescentes. 

Por conta de ataques, Fortaleza tem frota de ônibus reduzida e paradas lotadas.

Os internos ligados ao grupo criminoso que vem comandando os ataques violentos no Ceará vão sair neste mês das unidades prisionais de Pacatuba, do Centro de Triagem e Observação Criminológica, que funciona no Complexo Penitenciário de Aquiraz. 

O gestor estadual, Camilo Santana, afirmou que mais de 30 pessoas já foram presas suspeitas das ações criminosas. Lideranças presas das ações serão transferidas para presídios federais, com vagas já autorizadas pelo departamento penitenciário nacional. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todos os policiais que estavam de férias ou em serviços administrativos foram convocados para as operações de rua, aumentando o policiamento na rua, ainda conforme o governador. 


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade