fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Brasil

Brasil registra 690 mortes pela covid-19 em 24 horas

Por causa do aumento de infecções, cidades do interior e do litoral estão retomando medidas adotadas no auge da pandemia, entre maio e julho deste ano

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

O Brasil registrou 690 mortes pela covid-19 em 24 horas. No total, foram registrados 181.143 óbitos e 6.880.595 pessoas contaminadas no Brasil, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde. Os dados foram divulgados neste sábado, 12, às 20h.

A média móvel de mortes pela covid-19, que registra as oscilações dos últimos sete dias e elimina distorções entre um número alto de meio de semana e baixo de fim de semana, ficou em 643 neste sábado, 12. Segundo o consórcio de veículos de imprensa, foram 44.282 novos casos em 24 horas.

São Paulo é o Estado que teve mais casos da doença – foram 1,3 milhão de infectados e 43.971 mortes. Por causa do aumento de infecções, cidades do interior e do litoral estão retomando medidas adotadas no auge da pandemia, entre maio e julho deste ano.

As gestões Bruno Covas e João Doria (PSDB) também se mobilizam para ampliar de novo a quantidade de leitos disponíveis nos hospitais públicos da capital e da Grande São Paulo. Na rede estadual, levantamento obtido pelo Estadão aponta que dez hospitais já apresentam taxa de ocupação acima de 80%. Entre os privados, unidades de referência também relatam que o número de novos pacientes de coronavírus segue alto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o Ministério da Saúde, 5.954.745 pessoas se recuperaram da doença.

Consórcio dos veículos de imprensa

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade