Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Dia das Crianças: origem, diferença de datas entre países e estilos de comemoração

Você viveu como criança de verdade ou perdeu sua infância por força maior?

Por Luana Tachiki 10/10/2023 4h44
Imagem ilustrativa

Nesta quinta-feira (12), comemora-se o Dia das Crianças. Você tem permitido que alguma criança seja livre para curtir a própria infância? Mas antes de falar e dar dicas a respeito disso, vamos saber mais sobre a origem da data.

Através de uma visão estratégica e mercadológica, definiu-se uma data para a comemoração dos pequeninos. O Dia das Crianças é comemorado em vários países. Cada nação escolhe uma data de acordo com sua cultura para celebrar, mas o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) convencionou o dia 20 de novembro para a comemoração. Isso porque foi neste dia, em 1959, que o Unicef oficializou a Declaração dos Direitos da Criança. O documento estabeleceu uma série de direitos válidos a todas as crianças do mundo, como alimentação, amor e educação.

Em 1923, o Rio de Janeiro sediou o 3º Congresso Sul-Americano da Criança. Depois, o deputado federal Galdino do Valle Filho elaborou o projeto de lei que estabeleceu uma nova data para comemorar o Dia das Crianças. Em 5 de novembro de 1924, o decreto nº 4867, instituiu 12 de outubro como dia oficial para a celebração. Entretanto, aquilo demorou a se tornar unanimidade, e somente em 1955, após uma campanha de marketing elaborada pela indústria de brinquedos Estrela, a data foi firmada.

Eber Alfred Goldberg, então diretor comercial da Estrela, lançou a “Semana do Bebê Robusto”. O sucesso da campanha logo atraiu a atenção de outros empresários do setor. Em seguida, uma nova peça publicitária, “Semana da Criança”, alavancou as vendas, e os bons resultados fizeram com que esse mesmo grupo de empresários consolidasse a comemoração do Dia das Crianças em 12 de outubro, conforme criado pelo deputado Galdino. Dessa forma, a data entrou de vez no calendário de celebrações importantes do brasileiro.

Imagem ilustrativa

Como dito anteriormente, vários países comemoram a data, mas cada nação celebra à sua maneira, de acordo com a própria cultura. Por exemplo:

Na Argentina, os costumes se parecem com os nossos. As crianças ganham presentes, e as cidades organizam exposições, oficinas e peças de teatro. A data, no entanto, é celebrada sempre no segundo domingo de agosto, quando, no Brasil, comemoramos o Dia dos Pais.

No Japão, existem dois Dias das Crianças, sendo um para os meninos, e outro, para as meninas. O dia das meninas é comemorado em 3 de março, e as famílias organizam exposições de bonecas. No dia 5 de maio, acontece a comemoração dos meninos, e as famílias exibem capacetes de guerra (no sentido de desejar que as crianças cresçam fortes e saudáveis) e comem bolinhos de arroz recheados com feijão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na Noruega, a data coincide com o Dia da Noruega, em 17 de maio. As crianças participam de desfiles carregando pequenas bandeiras do país.

No Paraguai, celebra-se o Dia das Crianças em 16 de agosto. Nesta data, o país homenageia ainda as 3,5 mil crianças guaranis massacradas na batalha de Acosta Ñu, durante a Guerra do Paraguai, em 1869. Na ocasião, 20 mil soldados brasileiros travaram uma luta com um batalhão formado pelos pequenos.

Em Portugal, devido à cultura cristã ser predominante, o Dia das Crianças é celebrado no dia 1º de junho, logo após o mês de maio, que homenageia Maria, a mãe de Jesus. O evento é marcado por muitas brincadeiras nas ruas.

Na Turquia, as crianças podem governar o país por um dia! O governo organiza um festival onde os pequenos vão até a capital, Ancara, e assumem o lugar dos membros da Grande Assembleia Nacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A data varia em diversos outros países:

  • Belize: 4 de março
  • Bolívia: 12 de abril
  • Camboja: 1º de junho
  • Canadá: 20 de novembro
  • China: 1º de junho
  • Coreia do Sul: 5 de maio
  • Costa Rica: 9 de setembro
  • Estados Unidos: 8 de junho
Imagem ilustrativa

Deixe a criança ser criança

Se por algum motivo você não teve o privilégio de viver como criança, deixe seus filhos e filhas viverem a infância deles. Independentemente da história que você viveu, colabore com um futuro melhor desses pequeninos, permitindo que eles vivam essa etapa tão importante e marcante na vida.

Muitos de nós, infelizmente, não tivemos o privilégio de aproveitar a infância, porque nossos pais nos obrigaram a trabalhar por necessidade financeira, ou ainda porque alguns de nós não morávamos com nossos pais e fomos obrigados a trabalhar desde cedo, entre vários outros motivos possíveis. Se essa foi sua história de vida, não permita que seus rebentos vivam a realidade que você teve. Conscientize seus filhos sobre as vantagens que possuem na vida por terem a chance de viver e curtir a fase de criança. Assim, você contribuirá para o desenvolvimento do seu pequeno, aumentando as chances dele crescer saudável e feliz.

Infelizmente, milhares de crianças no Brasil e no mundo vivem ‘aprisionadas’, longe da liberdade de serem crianças. Não podemos deixar que isso aconteça a nossa volta. Adote a campanha: “Deixe a criança ser criança”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Converse, conscientize, observe, avalie o comportamento. A comunicação é fundamental para entrar com medidas protetivas e/ou de ajuda, por exemplo.

Alguns trechos deste texto citam referências dos portais Brasil Escola (UOL) e KNN Idiomas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Você pode gostar