Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Os homens ocos

Talvez ainda haja tempo para alternativas, se o capitalismo sucumbir e der lugar a um humanismo pós-moderno onde se possa compartilhar uma cultura afetiva e racional

Foto: Andrew Neel/Pexels

A maioria dos jovens nascidos entre o fim do século XX e o início do século XXI mostra uma vida subjetiva, explícita ou muito bem encoberta de estados de pânico, uma fenomenologia de aspectos depressivos, quando não uma excitação que às vezes chega contaminar, lutos não vividos, sentimento de vazio existencial, colorido por angústia de fragmentação do Eu, distúrbios de Identidade e “com tais fragmentos, foi que escrevi minhas ruínas”, expressão de um verso do poeta, crítico de literatura e dramaturgo T.S.Eliot, em “A Terra Desolada”, sua composição poética mais associada à sua pessoa.

Prezado leitor, o título da crônica de hoje revela que o poeta já intuiu muito antes esse estado atual do ser contemporâneo. Pensemos em sua primeira estrofe do poema:

“Nós somos os homens ocos

Os homens empalhados

Uns nos outros amparados

O elmo cheio de nada. Ai de nós!

Nossas vozes dessecadas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando juntos sussurramos.

São quietas e inexpressas

Como o vento na relva seca

Ou os pés de ratos sobre cacos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em nossa adega evaporada.

Fôrma sem forma, sombra sem cor.

Força paralisada, gesto sem vigor:

Aqueles que atravessaram

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De olhos retos, para o outro reino da morte

Nos recordam — se o fazem — não como violentas

Almas danadas, mas apenas

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como homens ocos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os homens empalhados”.

Poema escrito em 1925, apreensão do poeta moderno, apreensão da subjetividade dos tempos modernos. Aqui é impossível não se lembrar do gauche – nosso Carlos Drummond, nosso poeta também moderno, em “Os ombros Suportam o Mundo” (1940), quando tal como Eliot, na segunda estrofe do poema, escreve:

“Porque o amor resultou inútil

E os olhos não choram.

E as mãos tecem apenas o rude trabalho

E o coração está seco”.

Ocos e secos parecem que estão os homens e os jovens da contemporaneidade! Outro dia conversava com uma pessoa de 32 anos, solteira, formada em Advocacia, juíza federal, um salário invejável neste nosso país de cruel diferença social e econômica. Ela se dizia triste, deprimida, desmotivada para viver, pensando em sua aposentadoria futura, guardando uma fantasia que viveria o resto da sua vida em paz. Após minutos de conversa, vi alguém sem autoestima, com uma existência pobre psiquicamente falando, reclamando que não tem e nunca teve cultura humanística e que se sente um autômato. Não consegue fazer vínculos afetivos (oco e de coração seco), medo de amar e de conviver com todo o pacote da afetividade (amor, ódio, ciúme, rivalidade, competição, sentimento de finitude, inclusive a possibilidade de estar-feliz, no aqui e agora). Cito, a propósito, outra estrofe de T.S.Eliot, no poema do título de hoje:

“Esta é a terra morta

Esta é a terra do cacto

Aqui as imagens de pedra

Estão eretas, aqui elas recebem

A súplica da mão de um morto

Sob o lampejo de uma estrela agonizante”.

“Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Assim expira o mundo
Não com uma explosão, mas com um grande gemido”.

Termina desse modo, caro leitor, Eliot, seu poema. Talvez ainda haja tempo para alternativas, se o capitalismo mórbido, mas vigente, sucumbir, dando lugar a um humanismo pós-moderno onde se possa compartilhar uma cultura afetiva e racional, onde o vazio, o oco, possa ser preenchido por um coração que, ainda que gemendo, traga afeto, educação, justiça social e capacidade de semear alteridade.






Você pode gostar