fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Moda

Tudo o que se precisa saber sobre a Semana de Moda de Nova York

Explicamos o que, quem, quando, onde e por que das passarelas nova-iorquinas durante toda a semana do evento

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

A Semana de Moda de Nova York, que acontece duas vezes por ano na cidade americana, começa nessa quinta-feira.

Explicamos o que, quem, quando, onde e por que das passarelas nova-iorquinas durante toda a semana do evento.

– Bye bye, NYC –

A cerimônia do Oscar foi antecipada de março para fevereiro, e acontece nesse domingo. O calendário não é ideal para a Semana de Moda de Nova York, que ainda tenta se recuperar de várias temporadas sem brilho.

Os estilistas sempre tentam encher a primeira fila com atores e atrizes famosos para admirar suas criações, mas muitos estão nessa semana em Los Angeles, onde as grandes festas de Hollywood vão competir com as de Nova York.

Scott Studenberg e Margherita Missoni escolheram apresentar suas coleções de outono 2020 em Los Angeles, para aproveitar o momento.

Até Tom Ford, diretor do Conselho de Designers de Moda dos Estados Unidos (CFDA na sigla em inglês), que ajuda a organizar o evento em Nova York, decidiu partir para o oeste.

“Não há nada realmente mais visível que Los Angeles no momento do Oscar”, disse Ford. “Alguém me perguntou outro dia como posso justificar o desfile em Los Angeles sendo o diretor da CFDA”, disse em entrevista ao site Business of Fashion. “Lembrei a ele que se trata do Conselho de Designers dos Estados Unidos, não de Nova York”.

– Ausências –

A chegada de Tom Ford no CFDA gerou esperança: o estilista reduziu a semana de moda para cinco dias para dar mais força ao evento, e grandes nomes como Tommy Hilfiger e Rihanna desfilaram suas coleções em Nova York em setembro do ano passado.

Mas agora Tommy Hilfiger apresentará sua coleção em Londres, e Jeremy Scott, em Paris. A atriz e cantora Rihanna, que desfilou sua famosa segunda coleção de lingerie para Savage x Fenty, também não vai estar em Nova York.

Ralph Lauren, Phillip Lim, Tomo Koizumi e o estilista Kerby Jean-Raymond, da marca Pyer Moss, que causou sensação na semana passada, decidiram não desfilar nessa temporada em Nova York. O mesmo aconteceu com Zero+María Cornejo, que fará uma apresentação íntima em vez de um desfile.

– De olho no novo –

Apesar de tudo, grandes nomes vão comparecer à Semana de Moda de Nova York, que termina em 12 de fevereiro: Marc Jacobs, Michael Kors, Carolina Herrera e Oscar de la Renta marcarão presença nas passarelas.

As irmãs Mulleavy, da marca Rodarte, consideradas as estilistas mais originais de sua geração, voltam a Nova York e darão um estímulo importante ao evento.

A marca Rag & Bone, cujo show vai ter a participação de inteligência artificial, volta a Nova York pela primeira vez desde 2016.

Os estilistas jovens serão examinados com atenção pelos compradores das grandes lojas. A revista Vogue deu destaque para Kee Kim, Olivia Cheng, Tia Adeola e Kenneth Nicholson.

Outros mais conhecidos para ficar de olho são Sies Marjan, Eckhaus Latta, Monse, Brandon Maxwell e a uruguaia Gabriela Hearst.

A Semana de Moda de Nova York tem tentado ser mais diversa nos últimos anos, e vai apresentar nessa temporada desfiles do estilista senegalês de Sukeina, Omar Salam, de Fe Noel, de Granada, dos estilistas negros Aliette, LaQuan Smith e Christopher John Rogers.

– Coronavírus –

Nova York abriu suas portas aos estilistas – além de blogueiros e “influencers” – chineses nas últimas temporadas com a meta de conquistar esse cobiçado mercado.

Mas não se sabe o que acontecerá esse ano, quando cresce o medo do coronavírus.

O CFDA não informou o cancelamento de nenhum dos desfiles programados. As marcas chinesas Mukzin e Sheguang Hu mantiveram seus planos de desfilar.

Mas na Semana de Moda de Milão, que acontece de 18 a 24 de fevereiro, as marcas chinesas Angela Chen, Ricostry e Hui anunciaram sua desistência devido ao coronavírus.

O fechamento das fábricas, divulgaram as marcas, os impediu de terminar as coleções a tempo.

Cerca de 1.000 compradores chineses, jornalistas, estilistas e outras pessoas vinculadas à indústria da moda vão perder o evento, segundo funcionários italianos do setor.

O conselho britânico de moda (BFC) disse que espera um número de chineses “consideravelmente reduzido” na Semana de Moda de Londres, que acontece de 14 a 18 de fevereiro.

Agence France-Presse


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade