Siga o Jornal de Brasília

Histórias da Bola

O goleiro trocolaço

O goleiro Paulo Victor Barbosa Carvalho tinha 26 anos de idade – nasceu em 7 de junho de 1957, em Belém do Pará –, quando viu o vascaíno Arthurzinho aproximando-se de suas traves, livre de marcação, na tarde daquele 27 de maio de 1984. Sem contar os caronas, 128.160 torcedores – recorde de público pagante brasileiro até então – estavam de olho nele. A torcida do Vasco levantou-se, para gritar o gol que poderia levar a decisão do Campeonato Brasileiro a uma terceira partida – o Flu r 1 x 0, na noite da quinta-feira, 23. No entanto, ele garantiu a festa tricolor, como conta:

“Fiquei parado, quando vi o Arthurzinho chegando na pequena área. Dei um passo à frente, para tirar-lhe o ângulo de chute. Mesmo assim, ele bateu para o gol. Fiz a única coisa possível: atirar as minhas pernas, para acertar a trajetória da bola. Deu certo”, relembra do lance que valeu o título.

Assim que o árbitro Romualdo Arppi Filho encerrou o jogo, Paulo Victor saiu, em disparada. “Roubou” a bola do jogo e disse para o homem de preto: “Me desculpe, Seu Romualdo, mas esta aqui é minha. É a recordação da defesa mais importante que já fiz” – na conclusão de Arturzinho.

Além do chute quase fatal de Arthurzinho, Paulo Victor saiu da área, por três vezes, para interceptar ataques vascaínos. Em todos, chutou a bola para a lateral do gramado. Ele não se lembro mais com qual dos pés “castigou a gorduchinha”, como brinca, e nem se foi para a direita, ou para a esquerda.

Paulo Victor guarda, com orgulho, um recorte do jornal carioca “O Globo”, que lhe dá nota máxima (única) na análise dos repórteres Átila Santos, Antônio Roberto Arruda, Carlos Silva, Chico Nélson, Danilo Mirales, Fernando Paulino Neto, Marcelo Matte, Marcelo Penido, Nélson Borges, Paulo César Martins, Paulo Roberto Pereira e Sílvia Moretzsohn, sobre as atuações dos jogadores dos dois times. Diz o texto: “Paulo Victor – Só fez uma defesa em todo o jogo: aos 40 minutos do segundo tempo, num chute de Arthurzinho. Uma defesa que garantiu o título à equipe tricolor. Nota 10”’.

ANTECIPADAMENTE – Passados 27 anos, seis meses e oito dias da conquista daquele título de campeão brasileiro da Série A, Paulo Victor revela que o Fluminense tinha tanta certeza de que carregaria a taça, a ponto de brindar o feito antes do jogo.

“Estávamos concentrados no Hotel Nacional. Antes do almoço, que saiu por volta de uma da tarde, o presidente Manoel Schwartz, o vice de futebol Antônio Castro Gil e vice jurídico Luís Carlos Vilela, brindaram a conquista ‘tintinlando’ copos com cerveja. O clima era de tanto otimismo, que ninguém demonstrava tensão, nervosismo”, garantiu, inventando um neologismo para o brinde com “tintin’.

Um exemplo da descontração tricolor durante os momentos que antecediam à final, Paulo Victor conta sobre uma brincadeira que ele fez, no hotel, com o supervisor Newton Graúna. “O cara usava um tênis branco, novinho tipo ‘cheguei’. Peguei no pé dele. Como um amigo nosso havia viajado, acho que aos Estados Unidos, e fiquei sacaneando, dizendo que ele fizera o cara viajar descalço e que ele usava um ‘tênis de viagem’. Sacou a saca?”

Com uma memória de fazer inveja, Paulo Victor não se esquece de um detalhe do dia do final: fora o primeiro atleta a deixar o quarto, para o café matinal. No trajeto para o restaurante, “por volta das 08h00”, encontrou-se com o Coronel Calomino, a quem avisou: “Sempre que marco gol durante os treinos recreativos, nós vencemos, no dia seguinte. Ontem, mandei o ‘mané’ buscar a bola no fundo do barbante duas vezes. Se acontecer o que rolou no outros jogos, prepare a faixa, coronel!”

A memória do goleiro de 1974 lhe faz lembrar, também, que o presidente Manoel Schwartz chegou ao hotel, acompanhado pelo ex-atleta tricolor Carlos Alberto Torres, “lá pelas 11h, tirando onda de beijoqueiro”. Na brincadeira, acrescenta: “Tato, Duílio, Ricardo (Gomes), Assis e Branco, que o homem encontrou pelo hall de entrada, contaram terem sido as primeiras vítimas dos beijos presidenciais”.

CARDÁPIO DE CAMPEÃO – Antes de “jantar” taças e faixas, Paulo Victor almoçou um churrasco, acompanhado de saladas e um buffet . Depois, entrou no elevador e foi descansar em seu quarto. Desceu, “por volta das 14h30”, quando o treinador Carlos Alberto Parreira fez uma prelação, “na sobreloja”, segundo ele, de uns 35 minutos. “O professor foi simples , direto e objetivo. Pediu, apenas, para mantermos a aplicação tática e a determinação de vitória do jogo anterior. Fora isso, analisou as possíveis fórmula pelas quais o Vasco poderia tentar nos surpreender”.

Depois de lembrar da palavra do treinador, Paulo Victor

recordou-se de mais um detalhe: “O nosso (futuro) deputado Delei (Paiva, do PV, nos dois últimos mandatos, e não reeleito, no recente outubro) já fazia campanha, por aquela época. Quando o professor passou a palavra à rapaziada, ele levantou-se e mandou ver. Disse que a nossa torcida não merecia derrota, e exigiu o caneco, com aquela tradicional frase manjada: ‘O título será a nossa consagração’. ‘Manezão!’ Só ele sabia disso. E que deputado chorão, rapaz! Quando o jogo acabou, ele botou o bumbum no centro de campo, e disparou a chorar, encobrindo o rosto com as mãos. Da minha parte, eu vibrava, ouvindo a galera gritar o meu nome, enquanto caminhava para o vestiário”, relata.

Outro fato que Paulo Victor não esquece é do ônibus com a delegação tricolor deixando o hotel, rumo a Maracanã. Afirma que Parreira foi o último a “adentrar ao buzu” e que, quando o carro começou a rodar, o “professor” olhou no relógio e observou: “Já são 15h18”.

BOLA ‘REROUBADA’ – Como o policiamento fora muito forte No dia daquela final de 1984, Paulo Victor pôde sair de campo com o uniforme de jogo, que guarda, ainda, em uma espécie de galeria, em seu apartamento, repleta de troféus e fotografias. Só não tem mais a bola roubada de Romualdo Arppi Filho, que ficou com a sua ex-mulher.

“Teve ‘mané’ que trocou camisa com os vascaínos. O Tato, por exemplo, o vi trocando a dele, como Edevaldo, que tinha jogado com a gente. ‘Manezão!’ Ele havia contado pra gente que seus pais e dois tios, junto com as “tias’, estavam no Rio, pra assistirem as finais. Poderia ter presenteado os pais com a relíquia. Aquilo era pra guardar pros netos”, filosofa o ex-goleiro, que já é avô de três “netinhas”, como se refere às “gatinhas”.

Enquanto sacaneia Tato, Paulo Victor dá nota dez para o lateral-esquerdo Branco. “Enquanto a gente comemorava, o gaúcho dizia que tiraria dois milhões (de cruzeiros, dos dez milhões prometidos, como prêmio, pelo título), para um avião leva-lo até Bagé (fronteira do Rio Grande do Sul, com o Uruguai), para comemorar com a família. Bonito isso!”, aplaude.

Título papado – o arbitro levou a partida até os 46 minuto do segundo tempo –, Paulo Victor não viu quase mais vascaínos no estádio, quando a turma tricolor dava a volta olímpica, evidentemente, em clima de muita comemoração da torcida que lotava o lado esquerdo das arquibancadas do “Maraca” e a “geral” – setor que deixou de existir, há pouco tempo, por imposição da Fifa. Recebia o torcedor de menor poder aquisitivo, que assistia ao jogo em pé. Durante as comemorações no vestiário, o ultimo a chegar, acha ele, foi o camisa 10 Assis. “Chegou com o troféu de melhor do jogo, cansadão. Não sei como não engoliu tantos microfones que puseram diante dos seus dentes. Ainda escutei ele declarando: ‘Foi a vitória da garra. Aprendeu o discurso do deputado Delei”, sacaneia.

Os recortes de jornais guardados por Paulo Victor mostram Assis declarando, também, que o título chegara, “por merecimento”. Citava que o Vasco havia pressionado no primeiro tempo e que o Flu atacara mais velozmente, na fase final, “quando criamos as melhores chances de vitória. Eu perdi três, se bem que o (goleiro) Roberto Costa tivesse me atrapalhado, com excelentes saídas de gol”, dissera.

Por aquele tempo, Assis formava com o baiano Washington, uma terrível dupla goleadora, que a imprensa carioca apelidou por “Casal 20”, em alusão a um seriado da TV norte-americana que tinha marido e mulher se metendo em encrencas e, sempre, derrotando o mau, para o bem do “bem”. Paulo Victor conta que Washington, depois do jogo, raspou a barba, “para acertar contas com o Homem Lá de Cima”, fato confirmado, também, pelos seus recortes de jornais. “Coisa de baiano”, volta a brincar o ex-goleiro, que era conhecido, em seus tempos de Ceub e Brasília, como o mais gozador dos jogadores. “Leia só isto aqui”, aponta para as explicações do atacante: “Quando saí de casa (para as Laranjeiras), antes do primeiro jogo com o Vasco, olhei para o Cristo Redentor e decidi tirar dois dedos de prosa com ele, que me deu forças nesta decisão. Agora, vou lhe pedir licença pra tirar a barba”, está escrito num jornal carioca.

INIMIGO NO PEDAÇO – Uma atitude muito elogiada por Paulo Victor daquela final foi o comparecimento do meia vascaíno Mário, que havia sido cria do Flu, ao vestiário tricolor, para parabenizar o zagueiro Ricardo Gomes, seu grande amigo. “Eles eram chapinhas, desde os tempos de seleção (brasileira) pré-olímpica. Muito bonito aquilo, ainda mais porque nós não perdemos a oportunidade para gozá-lo. O cara tinha, nos cabelos, o desenho de uma estrela cruzmaltina, que não ajudou a dar Vasco na cabeça”, sacaneia.

Assim colo elogiou a atitude de Mário, o camisa um tricolor elogiou, também, atitude idêntica, do preparador físico tricolor, Admildo Chirol, que não escondia a sua admiração pelo vigor físico do adversário – principalmente, no primeiro tempo e inícios da etapa final – e foi ao vestiário do Vasco cumprimentar o colega Antônio Mello.

Você pode gostar
Publicidade