Siga o Jornal de Brasília

Do Alto da Torre

Privatização: empresários de olho no espólio imobiliário da CEB

Dois terrenos, um no Noroeste e outro no SIA, às margens da EPTG, são mais que cobiçados pelo setor imobiliário do DF e desperta a cobiça da Energisa

Publicado

em

Lucas Valença
lucas.valenca@grupojbr.com

Terras de midas I

Em julho, dois mega empresários brasilienses do ramo imobiliário participaram de uma reunião no Buriti com a presença do alto escalão palaciano e da Energisa, empresa interessada em comprar a CEB Distribuição. A presença dos empresários não parece, porém, ligada exatamente a interesses energéticos.

Terras de midas II

A companhia, que ainda é estatal, é proprietária de dois terrenos mais que cobiçados pelo setor imobiliário do DF. Um no Noroeste e outro no SIA, às margens da EPTG. Falam por aí que esses imóveis superam em muito o valor da própria concessionária e podem atingir centenas de milhões de reais. Os empresários, que não são bobos nem nada, já costuram nos bastidores para saírem à frente.

Terras de Midas III

Procurada, a Energisa informou que não irá comentar sobre o assunto.

Ambições políticas

Na entrevista exclusiva que concedeu ao Jornal de Brasília, o ex-ministro da Secretaria de Governo Gustavo Bebbiano confirmou que irá disputar a prefeitura do Rio de Janeiro, dando início a um projeto político de se estabelecer como alternativa conservadora ao presidente Jair Bolsonaro. Bebbiano já foi abordado por vários partidos, mas ainda não decidiu a sua filiação.

Confiança industrial

A Fibra anunciou o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-DF) de agosto, que atingiu 59,1 pontos. A melhora foi de 1.3 ponto com relação ao registrado no mês anterior. Por quatro meses, o indicador industrial do brasiliense trazia valores negativos, mas a curva passou a virar em julho. Comparado ao mesmo mês do ano anterior (2018), um crescimento de 4,4 pontos. A condição de confiança é expressa pela linha média dos 50 pontos.

Escolhas palacianas

Em um espaço pequeno demais para o número de presentes, o cerimonial do GDF parece não ter se preparado para receber o evento de posse dos 83 peritos criminais no Buriti ontem. Mesmo com muita gente, à boca miúda, se cogitou que a escolha do salão menor poderia ser estratégica para demonstrar uma aceitação ainda maior.

Prazos e anúncios

A validade do concurso dos peritos venceria no sábado passado (31), mas uma edição extra do Diário Oficial, publicada no dia anterior, efetivou os peritos do edital de 2016. O anúncio chegou a ser feito pelo líder do governo na Câmara Legislativa, Cláudio Abrantes (PDT). O parlamentar chegou a articular com governador a publicação dos nomes.

Ajuda de cá…

A liderança do Centrão dada ao deputado Roosevelt Vilela (PSB/foto), coloca um peso na balança que pendia desfavorável ao parlamentar. Ao contrário dos colegas, o distrital não possui mais vínculo estrutural com o Buriti, que o usava de exemplo para acalmar os ânimos dos colegas. A coesão do bloco, no entanto, deve depender da condução do parlamentar. Um político influente foi  certeiro. “Ou os parlamentares andam juntos, ou morrem à praia”.

…que ajudo de lá

Internamente, a escolha da liderança se deu para dar uma resposta ao governo. Segundo um dos integrantes, o Buriti poderia até escolher algum distrital para ficar com o fardo, mas a Casa legislativa não estaria disposta a “largá-lo sozinho”.

Elevando o tom I

A reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) será utilizada pelos dissidentes da Câmara Legislativa para demonstrar força. O objetivo será utilizar o projeto que modifica a destinação do SIG para pressionar o governo. Hoje devem ser convidados especialistas do Iphan, da Unesco, da UnB e um convite também chegará às mesas da Secretaria de Habitação.

Elevando o tom II

Ao que parece, o PL que modifica o ICMS (nº 459) também será utilizado pelos insatisfeitos para cobrar um maior espaço no governo ou o pagamento das emendas que estão escassas. Os deputados devem usar o entendimento de que a alteração privilegiaria dois grandes atacadistas da cidade e afetaria o setor varejista.

Decisão tomada

A Transbrasília, conhecida como Avenida das Nações, deve unir as cidades do eixo sul, que se encontram segregadas. Do secretário de Projetos Especiais, Everardo Gueiros, uma confirmação: “A decisão política de levar o projeto à frente já foi tomada”. Não há mais retorno. Mesmo com a complexidade do projeto, a atual gestão tem avançado mais rápido do que os últimos governos.


Você pode gostar
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *