Siga o Jornal de Brasília

Do Alto da Torre

Fogo amigo: CEB corta luz de subsecretaria do GDF

Funcionários da Subsecretaria de Fiscalização e Auditoria (Sufisa) da Secretaria de Mobilidade são surpreendidos por corte de luz

CEB

Lucas Valença
redacao@grupojbr.com


A companhia Energética de Brasília (CEB) retirou a energia da Subsecretaria de fiscalização e Auditoria (Sufisa), órgão público ligado à secretaria de Mobilidade do DF nesta quarta-feira (5). O fato é, no mínimo, inusitado, mas expõe a situação vivida pela empresa e pelo DF.

Um vídeo obtido pelo JBr mostra o momento do desligamento da energia da Sufisa. Durante a gravação um funcionário, não identificado, explica a situação. Segundo ele, a CEB já está a cerca de três meses sem receber do setor e decidiu simplesmente retirar a energia do local.

A Sufisa é responsável pela fiscalização dos ônibus urbanos.

Durante a ação da empresa, funcionários filmavam a ação. Confira o vídeo:

Vídeo obtido pelo Jornal de Brasília

A CEB

Pública, a CEB segue ameaçada de privatizar. Diversas declarações recentes do governador Ibaneis Rocha e de seus secretários, além de publicação de edital para produzir ‘estudos’, tenta construir um ambiente menos hostil para a venda da empresa. O modelo ainda não está definido, mas é fato que a empresa precisa sanar as contas até agosto, ou os brasilienses poderão perder o seu controle para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O fato também explícita a situação vivida pela companhia. Mesmo que esteja no ‘vermelho’, a CEB possui uma série de dívidas a receber de diversos órgãos públicos locais e federais. A empresa já recorreu à justiça e o valor somado, do que tem a receber, pode passar dos R$600 milhões.

Nota da CEB

Sobre a informação publicada na coluna online sobre o corte de energia feita na Subsecretaria … a CEB afirmou que procura agir de forma isonômica em relação aos seus consumidores, inclusive, ressaltam, o setor público. “Desde 2017 a CEB Distrituição vem aprimorando sua “régua de cobrança”, explicaram em nota.

Eles também garantem que a companhia tem atuado “dentro das normas regulatórias”, além de respeitar a legislação vigente. E deixaram claro que, como qualquer contrato, o serviço terá de ser pago. “Todas as ações são informadas aos clientes com débitos em aberto, para que eles tenham tempo hábil de regularizar os pagamentos”.

“Pela Resolução Normativa 414/2010 da ANEEL, as distribuidoras de energia podem suspender o fornecimento de energia a partir de 15 dias após o reaviso ao cliente. Entretanto, no DF há uma Lei Distrital que determina que a suspensão do fornecimento por falta de pagamento só pode ocorrer após 60 dias de atraso no pagamento”, esclareceram.

A assessoria da CEB também informou que fez “diversos contatos” com a subsecretaria, “para informar dos débitos existentes e das sanções que poderiam decorrer do fato, chegando ao ápice do corte da energia, que ocorreu 108 dias após o vencimento da conta”, afirmaram.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
  • CHARGE DO DIA