Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

“Mussum, o Filmis” tem grande atuação de Aílton Graça

Dirigido por Sílvio Guindane o grande vencedor da 51ª edição do Festival de Gramado, chega aos cinemas nesta quinta-feira (02)

Foto: Divulgação/Downtown Filmes

Estamos em um período repleto de cinebiografias nacionais, só esse ano estreou “Nosso Sonho” que retrata a trajetória de Claudinho e Buchecha, “Meu nome é Gal” que faz um recorte da vida da cantora Gal Costa e vem muito mais por aí. E nesta quinta-feira chega às salas de cinema de todo o país, “Mussum, o Filmis” que narra a história de Antônio Carlos Bernardes Gomes, mais conhecido como Mussum. 

O longa foi o grande vencedor do Festival de Gramado deste ano, com cinco kikitos, incluindo Melhor direção para Sílvio Guindane, Melhor ator para Aílton Graça, Melhor atriz coadjuvante para Neusa Borges que interpretou uma das fases da mãe do artista. E ainda levou, Melhor trilha musical e Júri popular. 

Com base no livro Mussum – uma história de Humor e Samba, de Juliano Barreto. A trama mostra a história real sobre a vida e trajetória de Antônio Carlos Bernardes Gomes, popularmente apelidado de Mussum (Ailton Graça). Tendo crescido como um garoto pobre, filho de empregada doméstica analfabeta e com passado militar, Mussum ficou conhecido por ter se tornado um dos maiores humoristas do Brasil. Além de fundar o grupo musical Os Originais do Samba, ele encontrou seu caminho para a fama na televisão interpretando vários sketches de humor e fazendo para do quarteto “Os Trapalhões”.

Foto: Divulgação/Downtown Filmes

Silvio Guindane opta por colocar o seu personagem principal em três vertentes dentro da narrativa: infância, o começo da vida adulta e sua afirmação em relação ao mundo da música e da televisão. Todo o primeiro ato com o Antônio Carlos criança é em volta de sua mãe Malvina (vivida no primeiro momento pela atriz Cacau Protásio) e essa relação segue meio como um fio condutor para o resto da trama, o destaque inicial é todo dela. 

Já no segundo ato Yuri Marçal assume a juventude da vida de Antônio Carlos, ele trabalha no exército, contudo é na música que encontra a felicidade, esses momentos ficaram muitos engraçados, a química em cena com a Cacau foram bem construídas, os diálogos são leves com um bom ritmo e fazem bastante sentido com o resto da produção.

Ailton Graça aparece logo no início e a montagem do seu passado é vista com lembranças, sem dúvida nenhuma ele foi a melhor opção para o personagem ele é muito bem humorado se destaca principalmente nas cenas de humor, além de convencer na música, sua atuação está impecável.

Foto: Divulgação/Downtown Filmes

O longa contam com várias participações tanto do Samba como da televisão, Elza Soares, Alcione, Cartola entre outros e na Tv, Chico Anysio, Boni, Grande Otelo e é claro o trio Renato Aragão (Gero Camilo), Dedé Santana (Felipe Rocha) e Zacarias (Gustavo Nader).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um ponto fortíssimo do filme são os sketches de humor, lá no começo da carreira do Mussum, como aluno da “Escolinha do professor Raimundo” ou já consolidado em “Os Trapalhões”, essas pequenas peças mostradas no longa são muito bem estruturadas em relação período mencionado, elas são necessárias por conta do toque cômico, por que algumas cenas vão mais para o drama. Portanto esse humor com cortes inspirados nos programas são a melhor parte do filme. 

Algo que não ficou muito legal é a transição, por que se estamos falando de um período importante, seja para a televisão ou para música, precisa existir alguma explicação para quem não viveu na época ou para quem não conhece. E isso não acontece no filme, entendesse que todos os espectadores já conhecem todas as participações.

Foto: Divulgação/Downtown Filmes

Sob outra perspectiva o roteiro também peca por sua agilidade, é muita coisa para passar é o filme não tem muito tempo então é lógico que existe um recorte, mas escolher vários momentos da vida do Mussum, ao invés de focar talvez só na vida artística que já teria um bom material, Guindane prefere deixar superficial em alguns cortes.

Conclusão

“Mussum, o Filmis” é uma produção incrível, com atuações impecáveis, tem alguns deslizes pelo caminho, contudo é divertido nas cenas certas e prende o espectador até o final.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira o trailer:

Ficha técnica:

Direção: Sílvio Guindane;

Roteiro: Paulo Cursino;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Elenco: Aílton Graça, Yuri Marçal, Neusa Borges, Cacau Protásio, Gero Camilo; 

Gênero: Biografia;

Distribuição: Downtown Filmes;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Duração: 123 minutos;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Classificação Indicativa: 12 anos;

Assistiu à cabine de imprensa a convite da Espaço/Z






Você pode gostar