Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Empreendedora Malu Voss conta como o veganismo mudou sua vida

Influenciadora ressalta que o processo é lento, mas muito benéfico para a saúde

Por Analice Nicolau 03/12/2021 8h00
Influenciadora ressalta que o processo é lento, mas muito benéfico para a saúde

Iniciando há cinco anos o estilo de vida vegano, a designer de jóias Malu Voss, conta que o processo de mudança para o veganismo foi lento e gradual, trabalhando sua mente para o objetivo.

“No primeiro ano, tentei parar de comer animais de uma só vez e não funcionou. Foi aí que eu entendi que a mudança precisava ser feita primeiro na minha mente. Durante uma semana eu sentei uma hora por dia com meus filhos para assistir os documentários que mostram a realidade do que acontece com os animais. Após aquela semana eu deixei de comer todas as carnes e aves e no ano seguinte meu organismo já não aceitou peixes e frutos do mar”, diz ela.

O amor aos seres vivos e a preocupação pela sobrevivência do planeta foram os maiores motivos que fizeram Malu Voss se tornar vegana, ela conta que após aderir esse estilo de vida, tudo mudou.

“O veganismo me faz sentir limpa de dentro pra fora. Há quatro anos que eu não fico doente, meus níveis de vitamina estão sempre normais, nunca mais tive problemas de digestão, minha pele é muito mais limpa e macia, meu cabelo ficou mais forte e também me tornei uma pessoa muito mais calma”, explica a designer de jóias, ressaltando os benefícios do veganismo para ela.

Para quem deseja seguir o veganismo, Malu Voss indica ir aos poucos, até parar de vez. Ela conta a ordem exata para que o organismo se acostume com a mudança.

“Comece reduzindo a carne vermelha, consumindo menos vezes até não comer mais. Depois faça o mesmo com as aves, os frutos do mar, os peixes e por último os ovos e derivados do leite. É interessante também, se possível, consultar um nutricionista, para auxiliar melhor no processo. Até agora eu não precisei tomar nenhum suplemento, pois meu corpo se ajustou muito bem, mas nem todos somos iguais”, finaliza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar