Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Autista, Lúcio Fonseca é um mito no mundo da criptomoeda e NFT e se torna inspiração

“Um dos objetivos da minha vida é provar que não importa os transtornos ou problemas, você consegue fazer o que você deseja”, conta o gênio

Por Analice Nicolau 27/11/2021 10h00
“Um dos objetivos da minha vida é provar que não importa os transtornos ou problemas, você consegue fazer o que você deseja”, conta o gênio

Desde 2014, Lúcio Fonseca prova que é um visionário. Na época, pouco se falava sobre as Criptomoedas — que nada mais é que uma moeda digital, assim como temos o real, por exemplo, é como se fosse um ativo digital só que descentralizado — e começou a buscar e investir no assunto. E não é que ele estava completamente certo?

Mas antes de trabalhar no ramo, já trabalhou em diversas áreas, mas se encontrou na área de Criptomoedas/NFTS/Criptojogos, que atualmente é o seu foco. “Eu ensino e também ganho dinheiro nessa área. Para dar um contexto melhor, tanto NFTS quanto os criptojogos são tecnologias novas, com muito espaço para crescer e ganhar dinheiro”, conta. Lúcio ministra uma mentoria, onde ensina as pessoas como fazer dinheiro nessa área de NFTS e criptogames — e muitos dos meus alunos já faturam mais de 10.000 por mês.

Segundo Lúcio, Criptomoedas, diferente do mercado tradicional de ações, são de muito mais fácil acesso. “A pessoa precisa criar uma conta em uma corretora de Criptomoedas e comprar (o que muitas vezes pode ser feito em minutos ou algumas horas). Acredito que as Criptomoedas democratizam a posse real do dinheiro, pessoas finalmente conseguem ter a real posse, o que traz vantagens e responsabilidades”, explica. Os Criptojogos nada mais são que jogos, como Axie Infinity, Mir4, Splinterlands e Dragonary, que permitem que a pessoa ganhe dinheiro apenas jogando. “Para ganhar dinheiro nos jogos geralmente se completa missões ou ganha partidas, e dessa forma a pessoa recebe a moeda do jogo que pode ser trocada por dinheiro”, explica.

Já o NFT, vem do inglês Non Fungible Token, e são basicamente ativos digitais, m grande exemplo disso é a coleção Critptopunks que apenas uma NFT vendeu por mais de 20 milhões de reais, segundo Lúcio. Basicamente quase qualquer coisa que conseguimos colocar na internet pode se tornar uma NFT — geralmente, as NFTS são fotos/vídeos/GIFS e podem ser até músicas.

“Essa tecnologia veio para revolucionar o mercado, tanto a bitcoin como NFTS e criptojogos possibilitam você ser dono do seu ativo digital sem intermediadores. Ou seja, você não precisa de um banco por exemplo para movimentar o seu dinheiro. Acredito eu que cripto foi um dos ativos que mais formou milionários nas últimas décadas — e o mesmo se aplica a NFTS e criptojogos. Nesse mundo geralmente quem chega primeiro bebê água limpa, e sabendo que NFTS e criptojogos estão só começando acredito que tem muito espaço para formar milionário aí”, conta o gênio.

Lúcio tem 23 anos e os diagnósticos de Autistmo e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), mas isso nunca foi problema para ele, muito pelo contrário. Mesmo vivenciando o preconceito, o jovem conta que a narrativa de vítima não é a que ele procura: “Eu me considero excelente, apesar do autismo e acredito que ele não me impede de fazer as coisas que gosto, e é essa exata mensagem que gosto de espalhar! Que apesar das suas condições você é sim capaz de perseguir seus sonhos e fazer o que gosta”, inspira.

O inspirador rapaz deixou um recado para os Autistas: “Muitas vezes o caminho da manada não é o que você se identifica. Nesse caso é perfeitamente saudável você traçar seu próprio caminho, mesmo que pareça estranho ou diferente suas escolhas. Confie no seu potencial e na sua intuição que você vai longe. E um recado para as famílias: É normal ser diferente! Algumas pessoas simplesmente são assim e isso gera uma variedade no nosso mundo. O melhor a se fazer é respeitar o tempo de cada pessoa e seguir com o apoio”, encerra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar