fbpx
Siga o Jornal de Brasília

60 Anos, 60 Histórias

A democracia retoma a mudança

“Bota o retrato do velho outra vez. Bota no mesmo lugar! O sorriso do velhinho Faz a gente trabalhar” Haroldo Lobo em “Retrato do Velho”

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

“Congratulo-me com Vossa Excelência pelo restabelecimento de relações com o heroico povo soviético.” Desta forma começa Luiz Carlos Prestes em um telegrama entregue a Getúlio Vargas em 4 de abril de 1945, 12 dias antes da entrada das tropas do Exército Vermelho em Berlim, capital alemã, que teria como consequência o fim da guerra na Europa com a derrota e o suicídio de Adolf Hitler. O desenrolar do conflito e a adesão do Brasil aos Aliados arrefeceu os pendores fascistas de Vargas e aposentava seu anticomunismo, que antes mantinha fechadas as portas para Moscou.

Ao clamar por perdão governamental, Prestes, em gesto nobre, oferece o dele pelo dos colegas presos e exilados políticos durante a vigência do Estado Novo, que completaria oito anos no final daquele ano. “Urge, agora (…), a decretação imediata da anistia, com exclusão do meu caso pessoal se necessário, e que seja assegurada sem maior demora a livre organização dos partidos políticos”, continua o líder comunista.

O telegrama tem peso histórico não só pelo fato de se tratar de uma correspondência entre algoz e vítima, político cassador e político cassado. Trata-se de uma interlocução entre o homem que mandou a judia Olga Benário — grávida — para a morte nos campos de concentração nazistas e o viúvo da militante alemã. Ainda que fatores diversos tenham influído, a barganha funcionou. Quatorze dias depois da comunicação, Vargas emitiu o decreto-lei 7474/1945, que concedia, logo no artigo de abertura, “anistia a todos quantos tenham cometido crimes políticos desde 16 de julho de 1934”, incluindo o próprio Luiz Carlos Prestes e o Partido Comunista do Brasil (PCB), que voltava da ilegalidade para apoiar seu algoz.

O fim do Estado Novo

A vitória dos Aliados contra as ditaduras de Hitler e Benito Mussolini tornava impossível a manutenção aqui de um governo de discurso igualmente fascista e autoritário. Com a volta das tropas da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que combateram na Itália, não havia mais clima para a manutenção de uma ditadura. E Getúlio compreendeu isso para compor uma saída negociada para o fim de seu governo. A anistia concedida em abril de 1945 possibilitou a formação das legendas políticas, como a União Democrática Nacional (UDN), o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e o Partido da Social Democracia (PSD), além do Partido Comunista do Brasil (PCB), que voltou da ilegalidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, Vargas organizava-se para tentar, assim que lhe fosse possível, uma volta pela via democrática. A continuidade de Vargas virou campanha popular, o “Queremismo”, de “nós queremos Getúlio”. A esse mote, curiosamente, juntou-se o PCB, posto na ilegalidade oito anos antes. Segundo a legenda, a manutenção do presidente daria a estabilidade necessária para a transição democrática. Desde o início, Getúlio negou almejar o cargo. A corrida à Presidência começou, e logo de cara a UDN lançou o brigadeiro Eduardo Gomes, enquanto o PSD apoiou o nome de Eurico Gaspar Dutra. Os comunistas se aglomeraram em torno de Iedo Fiúza.

Neste cenário, Getúlio poderia concorrer ao cargo caso se descompatibilizasse (ou seja, deixasse o Palácio do Catete) 30 dias antes do sufrágio, mas a gota d’água para o Estado Novo veio com a nomeação de Benjamin Vargas, irmão do presidente, para a chefia da Polícia do Distrito Federal — controlada pela União. O receio de retaliação aos adversários políticos, grupo que englobava as Forças Armadas, levou à deposição de Getúlio em 29 de outubro, com ação do Alto Comando do Exército. De volta a São Borja, sua terra natal, o gaúcho concordou com a deposição e passou o cargo ao presidente do Supremo Tribunal Federal, José Linhares.

A Assembleia Constituinte de 1946 retoma a previsão de mudança da capital para o Planalto Central do país

Após 16 anos, nova eleição direta

No pleito, Eurico Gaspar Dutra teve apoio de 3.251.507 dos 5.870.667 cidadãos aptos a votar, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com uma ajudinha de Vargas já no fim da campanha — quando o ex-presidente, entocado nos Pampas, emitiu manifesto conclamando o voto no general —, Dutra venceu em 23 das 28 Unidades Federativas existentes à época (20 estados e oito territórios).

Mesmo sem subir em palanques, o presidente deposto foi eleito senador pelos estados do Rio Grande do Sul e São Paulo, além de deputado constituinte nas terras gaúchas e paulistas, em Minas Gerais, na Bahia, na Paraíba, no Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Essa multiplicidade de mandatos era permitida pela legislação da época.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 31 de janeiro de 1946, Eurico Gaspar Dutra sobe ao poder com uma missão dada pelo antecessor: convocar a Assembleia Nacional Constituinte para elaborar a quinta Constituição do país, quarta de cunho republicano. O militar-presidente segue a recomendação dada via Lei Constitucional nº 9/1945 e convoca os constituintes, eleitos no mesmo pleito que o chefe do Executivo, e, em 2 de fevereiro, começam os trabalhos para elaboração da nova Lei Maior do país.

Eurico Gaspar Dutra, o primeiro presidente eleito após a Era Vargas: respeito total às regras constitucionais

A luta dos goianos faz voltar o mudancismo à Constituição

Histórico mudancista, o então advogado Segismundo de Araújo Mello, que morava no Rio de Janeiro, articulou com o deputado goiano Diógenes Magalhães a volta do artigo que previa a interiorização da capital da República. Na tribuna, porém, a atuação mais contundente foi a de Pedro Ludovico, ex-interventor de Goiás durante a primeira Era Vargas. Ludovico foi o responsável por inaugurar, em 1937 — apesar de, oficialmente, ter se tornado sede do governo estadual em 1942 —, a nova capital do estado, Goiânia, uma cidade planejada e edificada do zero, bem como Belo Horizonte fora erguida em Minas Gerais no final do século XIX.

“Todos julgavam tal gesto uma aventura ou uma louca temeridade”, discursou o deputado goiano. “Goiás (…) ombreava-se com Piauí e Mato Grosso, colocando-se, de quando em quando, em último lugar em matéria de arrecadação orçamentária”, argumentou Ludovico. Sem deixar de atribuir a si próprio os méritos da construção de Goiânia, ele aponta os percalços sofridos na época da construção. “Não fossem o meu entusiasmo, a minha fé, a minha convicção de que estava fazendo um grande bem à minha terra, por certo, teria fracassado”, comentou.

O exemplo de Goiânia foi dado para levantar a discussão da interiorização da capital federal. Para Ludovico, era dever do governo fornecer um ambiente “tanto quanto possível calmo e apropriado, que nem sempre as maiores cidades oferecem” para o trabalho dos funcionários públicos. Apartado pelo piauiense Coelho Rodrigues, que relembrou a crise financeira vivida pelo país à época, Ludovico foi enfático. “Qual não seria, hoje, o progresso do nosso país se a capital federal tivesse se deslocado do Rio para o Planalto Central em 1895?”, questionou o parlamentar.

A mobilização dos mudancistas, sobretudo dos goianos, valeu. Promulgada em 18 de setembro, a nova Constituição trazia, no artigo 4º das Disposições Transitórias (a exemplo da Carta de 1934), que “a Capital da União será transferida para o planalto central do país”, adicionando no primeiro parágrafo que o chefe do Executivo teria 60 dias para nomear “uma Comissão de técnicos de reconhecido valor para proceder ao estudo da localização da Nova Capital”.

Nos dois parágrafos restantes, o dispositivo determinava que os estudos seriam submetidos ao Congresso, que “estabelecerá o prazo para o início da delimitação da área a ser incorporada ao domínio da União”; além de atribuir ao parlamento nacional a decisão “sobre a data de mudança da Capital”. Ainda que em termos gerais, foi a primeira medida aprovada — e, sobretudo, consagrada na Carta Maior do país — a delimitar um período temporal para a transferência da capital.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade