fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Flamengo diz que especialistas detectaram racismo de Ramírez em leitura labial

O vídeo do bate-boca entre Ramírez e Bruno Henrique viralizou nas redes sociais no decorrer desta terça

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Rodrigo Dunshee, vice-presidente Geral e Jurídico do Flamengo, afirmou, no fim da tarde desta terça-feira (22), que o clube pediu a especialistas do Instituto de Educação de Surdos (INES) uma análise do vídeo em que Ramírez, do Bahia, aparece discutindo com Bruno Henrique. Segundo o dirigente, foi apontado que houve ofensa racial e a prova será apresentada ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e à polícia.

A discussão entre os dois aconteceu no segundo tempo do duelo do último domingo (20), pouco após o fato relatado por Gerson, que garantiu que o jogador do tricolor baiano falou “cala a boca, negro” a ele. O vídeo do bate-boca entre Ramírez e Bruno Henrique viralizou nas redes sociais no decorrer desta terça.

“O Flamengo encomendou a especialistas do INES – INSTITUTO DE EDUCACAO DE SURDOS, uma leitura labial da situação do Ramirez com o Bruno Henrique momentos antes do que se passou com o Gerson. A prova revelou que teria havido a ofensa, vamos apresentar ao STJD e entregar a polícia”, publicou.

Mais cedo, Gerson que prestou depoimento na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI), no Centro do Rio de Janeiro. Dunshee acompanhou o volante e entregou material em áudio e vídeo para a polícia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma estratégia dos rubro-negros foi verificar todos os registros de áudio do gramado do Maracanã. Segundo apurou a reportagem, nenhum deles, no entanto, apresentou com clareza a ofensa de Ramírez a Gerson.

“Estou aqui na delegacia, vim falar sobre o ocorrido. Quero deixar bem claro que não vim aqui só para falar por mim, mas também para falar por minha filha, que é negra, meus sobrinhos, que são negros, meu pai, minha mãe, amigos também, e a todos os negros que têm no mundo. Sobre o fato que aconteceu, hoje, graças a Deus, tenho um status de jogador de futebol, onde tenho voz ativa para poder falar e dar força para outras pessoas que sofrem de racismo ou outro tipo de preconceito”, declarou Gérson em vídeo divulgado pelo Flamengo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade