fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Renato Matsunaga

Missão Biotic: Brasília quer ser a capital da Biotecnologia

Viagem de empreendedores patrocinada pela Fibra tem por objetivo estimular o sucesso do novo Parque Tecnológico de Brasília

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Brasília, capital da esperança. Cidade estrategicamente localizada no coração do Brasil. Amada por seus habitantes e odiada por boa parte dos outros brasileiros.

Quem aqui mora, se indigna cada vez mais quando percebe a péssima imagem que colou em nosso amado quadradinho. É só sair daqui para ouvir “Ih… é deputado?”, “Mas só tem ladrão naquela cidade hein?”, “Credo, detesto esse lugar”, isso para citar apenas algumas das frases que nos acostumamos a ouvir por aí. O ódio que perdura sobre a cidade é mais do que injusto, pois sabemos que aqui mora gente de bem, que trabalha, luta e se dedica não apenas por um futuro melhor para si e para seus filhos, como também para todos os brasileiros.

Mesmo assim, a imagem que acabou colando na cidade foi a de capital dos políticos, da corrupção e das mamatas nas “tetas” do governo. É bem verdade que pouco ajuda a nossa atual situação. Atolado em dívidas, o Governo do Distrito Federal sofre para honrar os seus compromissos e trava batalhas “infindáveis”com os sindicatos dos servidores da cidade. Os investimentos em infraestrutura e desenvolvimento parecem um sonho cada vez mais distante e a cidade que costumava ser comparada a uma ilha da fantasia começa a sofrer com problemas que mais parecem pesadelos. Mesmo com o maior orçamento per capita do Brasil, a cidade sofre com falta de orçamento. Porque Brasília não consegue sair dessa posição?

Muitos podem acusar o governo de má-gestão. Outros podem dizer que é culpa da corrupção. Outros podem alegar que é pura mentira do governo para planos eleitorais. Pode ser que estejam certos, pode ser que não. Ou talvez, estejam certos em parte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fora do campo das especulações, um fato é inquestionável: o modelo de cidade baseada nos serviços públicos se esgotou. Brasília precisa de alternativas para gerar renda e emprego, para gerar desenvolvimento, para ser um exemplo para todo o Brasil.

Apostando no alto grau de escolaridade de seus habitantes, na veia empreendedora que começa a emergir cada vez mais na cidade e na localização estratégica de nossa capital, o Governo Rollemberg trata o projeto do Parque Tecnológico de Brasília-Biotic como possível solução para um futuro melhor.

O Parque Tecnológico de Brasília – Biotic, com 1.030.652 m² de área, é tratado pelo Governo do Distrito Federal como um novo vetor de desenvolvimento econômico e social e diversificação da estrutura produtiva do DF, tendo como base a bioeconomia. Previsto para ser inaugurado em abril deste ano, o parque prevê a concentração de cerca de 1,2 mil empresas dos ramos da tecnologia da informação e da comunicação e da biotecnologia.

A promessa é de um ecossistema de inovação, integrando a academia, governo e iniciativa privada, com foco nos setores de pesquisa, desenvolvimento e inovação das empresas e startups, dos ramos de Biotecnologia e a Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre as empresas que já confirmaram a sua instalação no Parque está o Sebrae, que implantará o sebraelab, um ambiente baseado em coworking especialmente desenhado para a criação de negócios na área de tecnologia e informação. Projetado para favorecer a troca de ideias e colaboração entre diferentes profissionais, o projeto baseia-se em três pilares: learn (aprender), attend (comparecer) e business (negócios).

Acreditando no sucesso do Biotic, a Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) está organizando em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação, Ciência e Tecnologia (Sedicit) uma missão de empresários a Nova York e San Francisco para apresentar o Parque Tecnológico de Brasília a grandes empresas de tecnologia instaladas nessas cidades e convencê-las a instalar suas operações no novo espaço de inovação da capital.

Entre as visitas já confirmadas estão:

– A Singularity University, iniciativa apoiada por grandes empresas como a Nasa e o Google em pleno Vale do Silício;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– A Stanford MediaX, iniciativa da universidade de Stanford voltada para tecnologia e empreendedorismo;

– A Cornell Tech, campus de empreendedorismo, tecnologia e inovação em Nova York;

– O Plug and Play Tech center, local de conexão entre startups e investidores no Vale do Silício, por onde passaram iniciativas como o Dropbox e a PayPal; e

– A sede americana da Samsung, entre outros locais onde fervilham a inovação e o empreendedorismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Jornal de Brasília foi convidado para essa missão, compreendida entre os dias 11 a 16 de março próximos, e por isso faremos atualizações constantes com o resultado das visitas. Vamos conferir? Acompanhe no nosso portal, na edição impressa e também nas nossas redes sociais durante esse período.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade