fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Promoções

Sexo e traição são polêmicos

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

MAIS DO MESMO – A diretora do SuperPop rebate a acusação de cópia: “Quando dirigi Ana Maria Braga na Record, levei a máquina da verdade. Foi o primeiro programa de variedades a usar”, defende-se Márcia Dadamos. Fabíola Heipert diz: “A vantagem da Band é dar dinheiro. Tem muito artista duro, sem trabalhar”. Irônico, Leão diz não se preocupar: “Só podiam exibir o quadro outro dia”.

RECEITA – “Perguntas sobre sexualidade e traição são polêmicas”, ensina Fabíola. Ela entrega: “Tem gravadora impedindo artistas de vir com medo de eles falarem demais. Quem aceita sabe que o quadro dá audiência”. Márcia confirma: “Agnaldo Timóteo foi convidado, não topou, depois viu o programa e ligou, mudando de idéia”.

DÓCIL – Timóteo afirma não fugir da raia. “Nenhuma pergunta me constrange. Aceitei fazer depois de ver o João Kléber. Minha participação teve uma repercussão incrível. A jornalista (Fabíola) me conheceu nos bastidores e ficou assustada por eu ser dócil, não ignorante. Na hora, ela foi menos agressiva”, acredita o cantor, 66 anos.

NOCAUTE – Alexandre Frota jura que doou os R$ 5 mil do cachê da Band, mas ganhou proposta de emprego. “Estamos conversando.” Ele tira onda: “Foi a segunda vez que derrubei a Globo. Primeiro foi na Casa dos Artistas, do SBT”. Bem ao seu estilo, Frota fala sobre a participação: “É um vale tudo. A máquina acusa até a respiração e todas minhas 20 perguntas foram pesadas. Mas levei o Leão ao nocaute”.

AMIGOS – Frota chamou diretores globais de calcinha frouxa e disse que rolou traição da ex, Cláudia Raia, com Raul Gazolla. “Ele é tão camarada que dividiu mulher comigo”, ironiza. “Nenhum advogado me ligou, sinal de que não menti. Maurício Mattar, Marcos Pasquim e Humberto Martins me deram parabéns por falar o que ninguém diz com medo de perder o emprego.”

PIADA – Frota não iria ao programa da Gimenez. “Sou amigo dela, mas aquela Fabíola é piada. Um papagaio de pirata sem porte. Não segura a onda de ficar de cara comigo”, provoca.

SURRA – Syang esteve no quadro do SuperPop. “Não tenho medo de polêmica. Entrei pronta para a surra, mas no Leão, com aquela máquina, é pior”, compara a cantora.

CACHÊ – “Os R$ 5 mil são a isca que a gente joga para conseguir convidados”, confessa Leão.

TEMPO – “Reclamam que demoro a perguntar, mas é que eu me assusto com as questões. Leio tudo só na hora. O quadro dura duas horas e estico ao máximo. Mas quando sinto que o interesse do público é mediano, vou rápido ou corto de 20 para dez perguntas”, admite Leão.

PILHA – “Perguntei ao Rafael Ilha como ele fez para expelir o isqueiro, a pilha e a caneta que engoliu. Já o vi mandando jornalista para aquele lugar ao perguntar isso”, destaca Leão. A resposta: um objeto foi expelido naturalmente; para os outros, teve que fazer lavagem.

LISTA – Gilberto quer Kelly Key, Renato Gaúcho, Edmundo e Romário no De Cara com a Fera.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Promoções

Sexo e traição são polêmicos

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

MAIS DO MESMO – A diretora do SuperPop rebate a acusação de cópia: “Quando dirigi Ana Maria Braga na Record, levei a máquina da verdade. Foi o primeiro programa de variedades a usar”, defende-se Márcia Dadamos. Fabíola Heipert diz: “A vantagem da Band é dar dinheiro. Tem muito artista duro, sem trabalhar”. Irônico, Leão diz não se preocupar: “Só podiam exibir o quadro outro dia”.

RECEITA – “Perguntas sobre sexualidade e traição são polêmicas”, ensina Fabíola. Ela entrega: “Tem gravadora impedindo artistas de vir com medo de eles falarem demais. Quem aceita sabe que o quadro dá audiência”. Márcia confirma: “Agnaldo Timóteo foi convidado, não topou, depois viu o programa e ligou, mudando de idéia”.

DÓCIL – Timóteo afirma não fugir da raia. “Nenhuma pergunta me constrange. Aceitei fazer depois de ver o João Kléber. Minha participação teve uma repercussão incrível. A jornalista (Fabíola) me conheceu nos bastidores e ficou assustada por eu ser dócil, não ignorante. Na hora, ela foi menos agressiva”, acredita o cantor, 66 anos.

NOCAUTE – Alexandre Frota jura que doou os R$ 5 mil do cachê da Band, mas ganhou proposta de emprego. “Estamos conversando.” Ele tira onda: “Foi a segunda vez que derrubei a Globo. Primeiro foi na Casa dos Artistas, do SBT”. Bem ao seu estilo, Frota fala sobre a participação: “É um vale tudo. A máquina acusa até a respiração e todas minhas 20 perguntas foram pesadas. Mas levei o Leão ao nocaute”.

AMIGOS – Frota chamou diretores globais de calcinha frouxa e disse que rolou traição da ex, Cláudia Raia, com Raul Gazolla. “Ele é tão camarada que dividiu mulher comigo”, ironiza. “Nenhum advogado me ligou, sinal de que não menti. Maurício Mattar, Marcos Pasquim e Humberto Martins me deram parabéns por falar o que ninguém diz com medo de perder o emprego.”

PIADA – Frota não iria ao programa da Gimenez. “Sou amigo dela, mas aquela Fabíola é piada. Um papagaio de pirata sem porte. Não segura a onda de ficar de cara comigo”, provoca.

SURRA – Syang esteve no quadro do SuperPop. “Não tenho medo de polêmica. Entrei pronta para a surra, mas no Leão, com aquela máquina, é pior”, compara a cantora.

CACHÊ – “Os R$ 5 mil são a isca que a gente joga para conseguir convidados”, confessa Leão.

TEMPO – “Reclamam que demoro a perguntar, mas é que eu me assusto com as questões. Leio tudo só na hora. O quadro dura duas horas e estico ao máximo. Mas quando sinto que o interesse do público é mediano, vou rápido ou corto de 20 para dez perguntas”, admite Leão.

PILHA – “Perguntei ao Rafael Ilha como ele fez para expelir o isqueiro, a pilha e a caneta que engoliu. Já o vi mandando jornalista para aquele lugar ao perguntar isso”, destaca Leão. A resposta: um objeto foi expelido naturalmente; para os outros, teve que fazer lavagem.

LISTA – Gilberto quer Kelly Key, Renato Gaúcho, Edmundo e Romário no De Cara com a Fera.


Leia também
Publicidade