fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Inquérito mostra lista de números hackeados por grupo

Diversas autoridades, jornalistas e pessoas públicas tiveram os celulares invadidos. Dentre as vítimas, está o presidente Bolsonaro e parte da família, Moro, Rodrigo Maia

Willian Matos

Publicado

em

Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

O grupo acusado de invadir mais de 1000 telefones celulares hackeou aparelhos de cerca de 80 pessoas públicas do país entre autoridades, jornalistas e outras personalidades. Dentre as vítimas, estão o presidente Jair Bolsonaro e os irmãos Flávio e Eduardo Bolsonaro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Janot foi quem teve o telefone acessado mais vezes — foram 76. Em seguida, vem o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, com 37. 

Na lista, ainda aparecem nomes como o presidente Jair Bolsonaro, que teve os celulares funcional e reservado acessados sete vezes. Os filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (sem partido-SP), também teve dois telefones invadidos, sendo um 10 e outro sete vezes. O senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) também foi vigiado sete vezes.  O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, recebeu as “visitas” 10 vezes.

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, a deputada Gleisi Hoffmann, presidente do PT, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, o ex-governador do Rio Pezão, o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre e o apresentador Pedro Bial também foram vítimas dos ataques.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Veja a lista completa:

 

 

A lista consta em inquérito da Polícia Federal apresentado à Justiça na quinta-feira (19), ao qual o Jornal de Brasília teve acesso. O documento mostra que os hackers invadiam os aparelhos através de ligações cujo número chamador era o próprio celular da vítima. Por vezes, os contatos também eram feitos por números atípicos, como “000041” e mensagens referentes a códigos de verificação do aplicativo Telegram e a protocolos da operadora TIM confirmando adesão a serviços não solicitados. 

Em 177 páginas de inquérito, a PF mostra, em detalhes, o nome das pessoas que tiveram os celulares invadidos, o DDD e os quatro primeiros dígitos dos números e a quantidade de ligações recebidas. Ao todo, eles realizaram 7699 ligações em que o número de origem era igual ao de destino, atingindo 1727 números de telefone diferentes.

Abaixo, o inquérito completo:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A PF ainda realiza diligências para identificar todas as vítimas dos hackers.

Denúncia

Na última quarta, a Polícia Federal concluiu o inquérito da Operação Spoofing e apresentou relatório à 10ª Vara Federal em Brasília, indiciando os seis investigados pelo hackeamento de dispositivos de mais de mil pessoas. Foram indiciados Walter Delgatti Neto (o Vermelho), Danilo Marques, Luiz Molição e Tiago Elieser, que permanecem presos desde julho, quando foi realizada a primeira fase da operação. Suelen Priscila e Gustavo Santos estão soltos e aguardam o desfecho do processo em prisão domiciliar.

Quatro dos seis indiciados. Foto: Reprodução

O sexteto reponde por integrar organização criminosa, invasão de dispositivo informático alheio e interceptação de comunicação telemática ilegal. Suellen, no entanto, foi indiciada apenas por participação em organização criminosa, e Luiz Molição somente por interceptação ilegal.

A Polícia Federal decidiu ainda abrir uma nova investigação para saber se houve financiamento para que o grupo praticasse as invasões é também para apurar possível crime de obstrução de investigações. Nesta próxima etapa, os investigadores vão apurar as informações apresentadas na delação de um dos hackers, Luiz Molição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O grupo é suspeito de ter invadido as comunicações via Telegram de Moro e Dallagnol no auge da Lava Jato. Conversas entre os dois indicariam suposta combinação na condução da operação.


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade