Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Saúde

Coronavac começa a ser testada em crianças e adolescentes no ES

Conhecido como Projeto Curumim (criança em tupi), ele irá verificar ainda a segurança, a produção de anticorpos e células de defesa nas crianças

Por FolhaPress 13/01/2022 8h37
Vacina CoronaVac no HUB. Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

Raquel Lopes
Brasília, DF

Uma pesquisa começará a ser realizada no Espírito Santo nesta sexta-feira (14) para testar a eficácia da Coronavac em crianças e adolescentes. Serão 1.280 participantes de 3 a 17 anos.

Conhecido como Projeto Curumim (criança em tupi), ele irá verificar ainda a segurança, a produção de anticorpos e células de defesa nas crianças e adolescentes.

Para isso, os participantes serão divididos em dois grupos: os que recebem a vacina Coronavac e os que recebem a vacina da Pfizer. As crianças menores de 5 anos somente serão imunizadas com o primeiro fármaco.

Poderão participar do estudo crianças e adolescentes de 3 a 17 anos que ainda não receberam vacina contra Covid-19, independentemente se já tiveram a doença.

De acordo com a responsável pelo estudo, a médica Valéria Valim, o objetivo é comparar a eficácia e segurança da vacina Coronavac em crianças e adolescentes tendo como base o imunizante da Pfizer, que já foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A agência reguladora ainda analisa o pedido do Instituto Butantan para utilizar a Coronavac na vacinação de crianças a adolescentes de 3 a 17 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Valim acrescenta que a Coronavac é uma vacina de vírus inativado. Essa tecnologia, conhecida há anos, induz resposta imune e é segura. Os eventos adversos que podem ocorrer são leves e de curta duração.

“É uma tecnologia muito conhecida e menos reatogênica, ou seja, tem menos efeitos colaterais. A eficácia também é menor que a de outros imunizantes, mas crianças respondem melhor. Então, esse estímulo pode ser suficiente”, disse Valim.

A médica acrescenta que o estudo é importante para que a Coronavac possa ser incluída como uma opção de vacina para crianças no PNI (Programa Nacional de Imunização) do Ministério da Saúde, e também por ser uma vacina de produção nacional, com boa aceitação da população para essa faixa etária, exatamente por ser uma tecnologia conhecida e mais segura.

A pesquisa está sendo realizada pelo Grupo de Pesquisa em Vacinas do Hospital Universitário da Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) e Grupo de Pesquisa de Biomarcadores do Instituto Renè Rachou da Fiocruz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ela conta com o apoio do Ministério da Saúde, do Instituto Butantan, da EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) e da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo).

A pesquisa foi aprovada pela Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), que atua na regulação da ética em projetos de pesquisas envolvendo seres humanos, nesta quinta (13).

Os participantes serão acompanhados por um ano pela equipe de pesquisa, composta por médicos pediatras, infectologistas, pneumologistas, pesquisadores e enfermeiros especializados em vacinas em crianças e adultos.

Em estudos publicados, sendo um deles com Coronavac em crianças, todas as vacinas foram bem toleradas e seguras na faixa etária pediátrica e a resposta imune foi adequada, quando comparada ao da população adulta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar