Política & Poder

Twitter marca ‘enganoso’ em post de Bolsonaro

A plataforma informou que a postagem “violou as regras do Twitter sobre a publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à covid-19”

(FILES) In this file photo taken on December 17, 2020, Brazilian President Jair Bolsonaro gestures during the inauguration ceremony of his new Tourism Minister Gilson Machado (not depicted) at Planalto Palace in Brasilia, on December 17, 2020. – On Thursday, January 7, Brazilian president Jair Bolsonaro, an ally of Donald Trump’s government, avoided criticising Trump’s supporters who on Wednesday, January 6, invaded the Capitol and was sympathetic to the accusations of electoral fraud that motivated the riots. (Photo by EVARISTO SA / AFP)

O Twitter marcou como “enganosa” uma postagem do presidente Jair Bolsonaro que citava supostos estudos clínicos sobre tratamento precoce para covid-19. Cientistas alertam que esse tipo de tratamento não tem eficácia comprovada.

A plataforma informou que a postagem “violou as regras do Twitter sobre a publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à covid-19”. Apesar disso, o Twitter determinou que “pode ser do interesse público que esse Tweet continue acessível”, e por isso, o post continua no ar.

Em meio à revolta com o colapso em Manaus por falta de oxigênio para pacientes com covid-19, Bolsonaro publicou nesta sexta-feira, 15, um vídeo do jornalista Alexandre Garcia falando sobre o suposto tratamento precoce, acompanhado de um texto alegando que o uso de medicamentos pode “reduzir a progressão da doença, prevenir a hospitalização e estão associados à redução da mortalidade”.

O presidente chegou a dizer que precisou intervir em Manaus porque a cidade não estava fazendo “tratamento precoce”, defendendo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que deu declarações nesse sentido, apesar da falta de evidências da eficácia desses medicamentos.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro tem publicações em redes sociais marcadas como falsas ou enganosas. Em abril do ano passado, em meio ao primeiro pico da doença no País, o Instagram marcou uma publicação do presidente, que continha informações erradas sobre o número de mortes por covid-19 no Ceará, com um “alerta de fake news”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.






Você pode gostar