Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Sarney Filho diz que discurso de Bolsonaro na Cúpula do Clima foi para americano ver

O governo não tem dado continuidade à política ambiental que vinha sendo desenvolvida no País, como a defesa do meio ambiente, disse o secretário

Por Catarina Lima 22/04/2021 6h28

O secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, Sarney Filho, que foi ministro do Meio Ambiente em duas oportunidades, de 1999 a 2002, no governo de Fernando Henrique Cardoso, e de 2016 a 2018, na gestão de Michel Temer, é uma referência em questões ambientais no Brasil. Acompanhando as dificuldades enfrentadas pelo Brasil na Cúpula dos Líderes Sobre o Clima, Sarney disse que não adianta belos discursos sobre as conquistas ambientais do Brasil no passado. “Lamentavelmente, nesses dois anos e quase quatro meses de mandato, assistimos à destruição sistemática e brutal do que a sociedade brasileira levou tanto tempo para conquistar”, lamentou.

O que levou o Brasil a essa situação em que se encontra hoje com relação ao clima, perante a comunidade internacional?

O governo não tem dado continuidade à política ambiental que vinha sendo desenvolvida no País, como a defesa do meio ambiente e o apoio e fortalecimento aos órgãos de proteção e fiscalização. O que houve desde o início do governo Bolsonaro foi uma desconstrução, mas isso não é novidade para ninguém, esse sempre foi o discurso dele. Os conselheiros do presidente na área de meio ambiente são garimpeiros criminosos e os grileiros de terra. Ele não trata da questão ambiental com os empresários sérios do agronegócio. Estes sim, estão muito preocupados com esta política ambiental. O setor do agronegócio está preocupado porque o consumidor está cada vez mais exigente e pode não querer mais comprar produtos de um país que trata o meio ambiente como o Brasil está tratando.

Se o desmatamento da Amazônia continuar como está, a floresta pode chegar a um ponto de inflexão?

Essa é uma constatação científica. De acordo com estudos, se o desmatamento chegar a 25% da floresta, poderá haver uma autotransformação de muitas áreas em savanas. Espero, sinceramente, que o governo mude o rumo da política ambiental, que passe a fazer uma política de Estado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quais são as chances de o governo brasileiro conseguir mudar sua imagem perante o mundo?

O governo não dá demonstração de que vai mudar. Os outros governantes já estão ressabiados. Hoje em dia, como a tecnologia é muito fácil saber se há desmatamento numa área. Não se engana ninguém. O discurso de hoje do presidente Jair Bolsonaro na cúpula do clima convocada por Joe Biden, infelizmente, foi para inglês ver. Muito bem redigido, com a digital clara, do Itamaraty, que tão bem conhece a trajetória da discussão climática internacional, assim como as posições históricas do Brasil. O discurso seria coerente se proferido por qualquer governo brasileiro anterior ao atual. Na boca do artífice desse projeto anti-ambiental, as justas palavras moldadas pela diplomacia se transformam em pura e total hipocrisia.

Tem chances de os líderes mundiais darem alguma ajuda financeira ao Brasil?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se alguma ajuda eles podem dar ao Brasil neste momento, é apoiar a soberania do nosso povo para revertermos, com a força pacífica da democracia e a defesa das instituições e da Constituição, esta infeliz situação.






Você pode gostar