Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Relatório de reforma prevê criação de IBS complementado por imposto seletivo

A criação do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) inclui os tributos estaduais e municipais sobre consumo, complementado por imposto seletivo.

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

O relatório da reforma tributária, do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), prevê a criação do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), que inclui os tributos estaduais e municipais sobre consumo, complementado por imposto seletivo. O IBS deve substituir PIS/Cofins, IPI, ICMS e ISS.

Ribeiro iniciou a leitura do seu parecer no período da tarde desta terça-feira, 4, na Comissão Mista que reúne as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 45, 110 e o projeto de lei do governo.

Apesar dele já ter iniciado a leitura, o texto substitutivo ainda não foi disponibilizado nos sistemas do Congresso.

O deputado também prevê que a legislação do imposto será única e nacional, por lei complementar. “Para incidência de IBS, lei complementar poderá estabelecer conceito de operações com serviços”, disse.

O IBS será somatório de três alíquotas, União, Estados e municípios. Ainda de acordo com o relatório, as três esferas de governo exercerão autonomia tributária na fixação da alíquota.

O deputado afirmou que foi pensado em um imposto não cumulativo, com efetivo ressarcimento de créditos, e que uma baliza constitucional preverá crédito de todas as operações anteriores. “Não serão creditadas operações referidas de uso ou consumo pessoal em lei complementar”, disse.

Estadão Conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar