Política & Poder

PSOL formaliza candidatura de Heloísa Helena à Presidência

Por Arquivo Geral 24/06/2006 12h00

O papa Bento XVI retornará à sua terra natal, drug approved Alemanha, approved a partir de 9 de setembro e deve ficar no país até o dia 14 para visitar o sudeste de Baviera, capsule região onde o pontífice cresceu, informou o Vaticano em nota hoje.

A viagem para a Alemanha, a segunda de Bento XVI desde que assumiu o pontificado em abril do ano passado, inclui paradas em Munique, Regensburg e Altoetting, segundo o Vaticano.

Em agosto de 2005, ele participou do "Dia Mundial da Juventude" no oeste da cidade de Colônia.

O papa, então conhecido como Joseph Ratzinger, estudou na Universidade de Munique antes de ser ordenado como padre e, mais tarde, tornar-se arcebispo de Munique. Seu irmão mais velho, Georg, ainda vive em Regensburg, lugar onde Ratzinger lecionou teologia.

Altoetting, localiza-se perto da pequena cidade de Marktl-am-Inn, onde Bento XVI, 79 anos, nasceu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu hoje a candidatura à reeleição, page na convenção nacional do PT, pill com um discurso em que prometeu dar "prioridade aos mais mais pobres", combinando ao "desenvolvimento econômico com distribuição de renda", e apoio a uma reforma política.

"Hoje estou aqui para dizer a vocês que o sonho não acabou e a esperança não morreu", disse o presidente a cerca de 3 mil convencionais e convidados do PT, entre os quais cinco pessoas escolhidas entre beneficiários de programas sociais do governo.

"Decidi submeter humildemente meu nome e meu governo ao julgamento dos brasileiros", afirmou o presidente, num discurso de uma hora e meia, ao fim do qual foi aclamado pelos convencionais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Favorito em todas as pesquisas, que indicam sua reeleição no primeiro turno, Lula disse que a eleição não está decidida. "Não tem já ganhou, não tem eleição garantida no primeiro turno", advertiu o presidente aos petistas.

Lula apresentou o vice-presidente José Alencar como companheiro de chapa, mais uma vez, e recebeu apoio não oficial do PCdoB (que deve se coligar nacionalmente ao PT), do PSB e de dirigentes do PMDB, além do PTB.

Lula admitiu que seu primeiro governo teve erros, mas, sem se referir diretamente ao mensalão, disse que os escândalos só foram conhecidos porque ele "combateu e puniu a corrupção como nenhum outro". "Vamos enfrentar ódios, preconceitos e inveja, companheiro José Alencar", disse Lula ao anunciar o vice. "E vamos demonstrar paz, humildade e muito amor ao povo brasileiro."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No discurso oficial, que ele leu pela primeira vez na tela de cristal de um moderno teleprompter, Lula prometeu continuidade do processo de mudanças e não apresentou nenhum novo projeto para o segundo mandato, nem mesmo sobre problemas que destacou no discurso, como reforma agrária, reforma urbana e segurança pública.

Diferentemente da convenção de 2002, o lançamento da candidatura Lula à reeleição dispensou efeitos especiais e o glamour típico das produções para a TV. Os grandes painéis, reproduzindo dados das pesquisas de intenção de voto, diziam: "Lula de novo, com a força do povo."

Lula prometeu continuar honrando os contratos e compromissos internos e manter os fundamentos da política econômica.

"Mas nosso compromisso mais especial continuar á sendo com o povo brasileiro", ressaltou. "A síntese de nosso possível segundo governo será a distribuição de renda para que haja crescimento acelerado com a estabilidade e responsabilidade fiscal", prometeu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula disse que a reforma política, especialmente a fidelidade partidária, "é fundamental para as demais reformas" e defendeu a redução de "desperdícios na máquina pública, especialmente na Previdência Social".

Lula criticou a oposição e o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), sem citá-lo diretamente. Ele disse que herdou "o Brasil à beira da falência" e conseguiu recuperar a economia e a credibilidade interna e externa do País.

"As vozes do passado estão de volta e, como não têm uma boa obra no passado e nem propostas para o futuro, fazem da agressão e da calúnia suas principais armas", disse Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na última semana, em programas partidários de televisão, PFL e PPS, aliados do candidato presidencial do PSDB, Geraldo Alckmin, recordaram o escândalo que levou a Procuradoria-Geral da República a denunciar 40 pessoas por corrupção, incluindo o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino.

"Nas praças e nas fábricas o povo está dizendo que não os quer de volta, mas eles nunca escutaram a voz do povo", disse Lula, acusando o governo tucano de ter "promovido o sucateamento da infra-estruturas do País, o desemprego e a queda da auto-estima dos brasileiros".

"Por mais que nos provoquem não usaremos os mesmos métodos, pois temos armas limpas e poderosas", prosseguiu, antes de fazer comparações com o governo anterior favoráveis ao atual, na economia, na geração de empregos e na área social.

Lula mencionou, entre outros programas, o crédito para a agricultura familiar, o ProUni (bolsas de estudos em faculdades particulares), o Luz Para Todos (eletrificação rural), e o Bolsa Família, para prometer que aumentará os investimentos sociais. "Não estamos dando esmola, estamos transferindo renda", disse Lula.

O  presidente advertiu o PT para a necessidade de "conviver com a divergência", e defendeu o partido e o governo das acusações de corrupção sistêmica.

"Nunca enfrentamos uma crise como a que se abateu sobre nós ao longo do ano passado", disse Lula. "Nossos adversários tentaram se aproveitar de algumas situações para passar a falsa idéia de que nosso governo compactuava com atos ilícitos", disse Lula.

"Mas a sociedade entendeu o que se passou e sabe que, se determinados fatos afloraram, foi porque este governo foi o que mais apurou e puniu a corrupção em toda a história", afirmou.

Lula admitiu ter cometido erros no primeiro mandato, por inexperiência e por dificuldades políticas, mas prometeu "corrigir o que está errado e melhorar o está dando certo" em um segundo mandato.

"Se com a inexperiência que tínhamos e a tormenta política que enfrentamos, conseguimos recuperar o Brasil, imaginem o que não poderemos fazer com mais experiência e pleno conhecimento da máquina?" indagou.

"Não quero posar de vítima ou de herói, quero apenas honrar a confiança do povo brasileiro, terminar meu governo em paz e, se os brasileiros quiserem, continuar aprofundando o processo de mudanças", afirmou Lula. "Quero fazer um governo que amplie o compromisso com os pobres, pois o melhor caminho para servir melhor a todos é atender primeiro os que mais necessitam", conclui o presidente.

O ministro da Fazenda, more about Guido Mantega, afirmou hoje que a política econômica do governo Lula, se reeleito, permanecerá com os mesmos fundamentos, mas admitiu que a tônica pode mudar.

"A política econômica foi bem-sucedida no primeiro mandato, e vai continuar no segundo. Só se muda o time que está perdendo", afirmou o ministro a jornalistas ao deixar a convenção do PT que formalizou a candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa por um segundo mandato.

Ele argumentou que os fundamentos da economia usados na administração petista revelaram-se eficientes para conduzir o Brasil para um novo ciclo de desenvolvimento, mas adiantou que o tom dessa política pode mudar.

"É claro que você vai mudar a tônica, a ênfase. A ênfase será o crescimento econômico. No primeiro mandato, era o equilíbrio fiscal, o monetário e o combate à inflação."
Mantega reafirmou o controle da inflação e garantiu que não há necessidade "de se descabelar" para contê-la.

"É só manter. A situação também está numa condição satisfatória."

O ministro afirmou que uma das principais metas num próximo governo é elevar o nível de investimento no setor público para viabilizar um crescimento maior da economia.

Presente na comemoração petista, ele garantiu que, como administrador da Fazenda, não estará participando de palanques eleitorais.

A economia da China crescerá 10% no segundo trimestre e em 2006, website like this apesar de medidas para refrear seu rápido crescimento, disse hoje o presidente do banco central chinês, Zhou Xiaochuan.

Falando a repórteres em um intervalo da reunião anual de bancos centrais no Banco de Pagamentos Internacionais (BIS) em Basiléia, Zhou disse: "Eu acredito que para o ano inteiro seja algo em torno de 10%".

O diretor do BC chin ês disse que o crescimento econômico no segundo trimestre deve ser também "provavelmente bem alto", acima de 10%.

Zhou lembrou que o banco central elevou as taxas de juro em abril: "A tendência é de gradual aperto."

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) oficializou, advice nesta tarde, dosage a candidatura da senadora Heloísa Helena (AL) à Presidência da República. Também foi aprovado o nome do economista carioca Cesar Benjamim com vice. Eleita senadora pelo PT, there Heloísa foi aceita por aclamação pelas 600 pessoas presentes à conveção. O PSOL terá o apoio do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e do Partido Socialista dos Trabalhadores Unidos (PSTU).

Heloísa Helena fez um discurso emocinado e admitiu que a sua campanha deve enfrentar dificuldades financeiras. Mas afirmou que o partido não aceitará doação de empresários. "É uma questão de coerência com o que defendemos na reforma política, de que não tivesse financiamento de setores empresariais. Assim sendo, as nossas contribuições serão de pessoas físicas que se identificam com a nossa alternativa", disse em entrevista à imprensa.

Heloísa disse que sua campanha será uma "alternativa concreta para o Brasil de desenvolvimento econômico com inclusão social". A senadora se disse esperançosa de que poderá chegar ao segundo turno da disputa eleitoral. "Estou abrindo mão de oito anos de segurança financeira e política de um mandato de senadora justamente porque acredito nas propostas concretas que estamos apresentando para o Brasil", afirmou.

 






Você pode gostar